Diante da pandemia de Covid-19, a Feira da Agricultura Familiar (FAF/UFRRJ) encontra alternativas para comercializar alimentos saudáveis fornecidos diretamente pelos produtores. A parceria entre Rural, Emater e agricultores e agricultoras mostra a importância e a força da extensão universitária.

No dia 22 de abril, foram montadas e vendidas 49 cestas de produtos da agricultura familiar da Baixada Fluminense. Entre 10h e 13h, os cestantes passaram pelo quiosque do Colégio Técnico da Universidade Rural (CTUR) para buscar seus produtos. Todos usando máscaras, incluindo a equipe que realizou o trabalho de organização das cestas. Nesse dia, a atividade começou bem cedo com a chegada, separação e organização dos produtos nas caixas, dais quais seriam retirados para as sacolas dos cestantes. Mas, na verdade, o trabalho começou muito antes disso, antes mesmo de os consumidores encomendarem seus produtos. A história das Cestas da Agricultura Familiar em Seropédica mostra como a parceria entre a universidade pública e os agricultores gera bons frutos, valoriza a solidariedade e promove a alimentação saudável.

Desde que medidas de distanciamento social foram implantadas, a equipe do Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar da UFRRJ se concentrou na busca de soluções para a comercialização dos produtos que são vendidos na FAF, suspensa a partir da segunda semana de março. Em quase quatro anos de trabalho, as feiras semanais são espaços de troca de experiências e de belos encontros entre consumidores e produtores. Elas estimulam os mercados de proximidade e o consumo consciente, criando sustentabilidade de geração de renda para as 20 famílias agricultoras que comercializam alimentos frescos e locais para a comunidade universitária.

Desafios da extensão em tempos de pandemia

Seguindo os cuidados de higiene, equipe da FAF entrega cestas de alimentos frescos e locais para a comunidade

A Feira e agora a Cesta fazem parte de um programa de extensão universitária que reúne uma equipe interdisciplinar composta por professores e estudantes de Economia, Agronomia, Jornalismo, Sistemas de Informação e Educação, além de um grupo de agrônomos e agrônomas residentes que desenvolvem ações pedagógicas e de assessoria técnica. Este time se dedicou por duas semanas a pesquisar os caminhos e as experiências já existentes de comercialização de cestas de alimentos, desenvolver o site de venda dos produtos e produzir materiais de comunicação para divulgar a iniciativa.

site www.fafrural.com.br entrou no ar em 13 de abril, e foi desenvolvido por Cláudio de Mesquita Alves, aluno de graduação em Agronomia da UFRRJ e bolsista de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação (Pibiti-CNPq e Pibiti-UFRRJ). O canal de compras também contou com a participação dos engenheiros agrônomos residentes Livea Bilheiro, Gabriel Melo, Renata Bravin e Enok Pereira.

Os pedidos são feitos entre segunda e quarta-feira, e retirados sempre às quartas-feiras da semana seguinte. Este tempo que separa o pedido da entrega das cestas é tomado pelo processamento de todos os produtos encomendados; a separação destes pedidos para os agricultores; além de colheita, maturação, organização e montagem das cestas.

Segundo Anelise Dias, coordenadora do programa de extensão e professora no curso de Agronomia, a logística da cesta é muito diferente da feira e isso demandou um ajuste no ritmo e no foco do trabalho da equipe.

“Os residentes do projeto precisaram auxiliar os agricultores a implantar essa nova lógica de trabalho – isso em poucas semanas”, afirmou a coordenadora. “Para a organização de cestas é necessário fazer um planejamento diferente da produção e da colheita. Enquanto na Feira os agricultores vendem o que tem disponível nas roças, para a Cesta a oferta dos produtos tem que ser fixa; e eles devem planejar com uma semana de antecedência os produtos que vão disponibilizar para a entrega.”

A equipe de assessoria técnica se dedicou a fazer um levantamento minucioso dos itens disponíveis entre os agricultores, distribuiu mudas e apostou na diversificação dos produtos. O passo seguinte foi administrar a logística de compras no site, a organização dos pedidos e a distribuição dos itens entre cada um dos produtores. A cada semana os agricultores mandam novas listas que vão alimentar o site de compras. Esta cadeia de trabalho – invisível para os consumidores – é complexa, mas resulta em bons frutos para a agricultura familiar, além de acumular experiências importantes para a área de ensino e pesquisa. Para a professora Anelise, o trabalho com as cestas mostra que é possível desenvolver novas tecnologias e métodos adaptados a este momento que estamos vivendo, e que este conhecimento pode ser compartilhado com estudantes em sala de aula, tanto na graduação como na pós-graduação.

Reitor da UFRRJ, o professor Ricardo Berbara também é consumidor frequente da Feira e esteve presente para buscar sua cesta de produtos na primeira semana de entregas. Berbara destaca a importância da agricultura familiar como um tema que articula inúmeros grupos de pesquisa e extensão em diversas áreas de conhecimento. “Nos dias de isolamento social, novos desafios sugiram. Como continuar apoiando a agricultura familiar? Uma opção foi de aderir ao ‘delivery’. Aproveite! Saudamos a todos e todas que se dedicam a este extraordinário programa”, disse o reitor.

Coma bem e cultive a solidariedade

Projeto promove segurança alimentar e solidariedade

Além de manter e comercialização dos produtos e garantir a geração de renda para as famílias, as Cestas da Agricultura Familiar são uma forma de fazer os alimentos frescos e saudáveis chegarem até os consumidores. Unindo as duas pontas da cadeia de produção de alimentos – agricultores e consumidores – este projeto promove segurança alimentar e solidariedade.

Na visão das professoras Anelise Dias e Nídia Majerowicz (ICBS/UFRRJ), que coordenam o programa de extensão, o sistema da Cesta fortaleceu os laços entre a equipe e os agricultores, valorizando o papel do trabalho conjunto para que os alimentos cheguem aos consumidores e para fortalecer a agricultura do nosso território. Alguns produtores que chegaram para entregar seus produtos ajudaram na organização dos pedidos e na limpeza do espaço. A equipe disponibilizou luvas, produtos de higiene e álcool gel durante todo o processo de recebimento dos alimentos e entrega das cestas.

A comunicação também foi parte importante do processo de articulação do sistema de Cestas. A equipe criou uma campanha de engajamento através das redes sociais, chamando os consumidores da Feira para o compromisso com o consumo consciente e o apoio à agricultura familiar. A campanha Coma Bem e Cultive a Solidariedade reúne materiais sobre saúde, consumo alimentar e a divulgação dos produtos e dos agricultores e agricultoras envolvidos na Feira e na Cesta. Desde o lançamento do site, a equipe também organizou e divulgou informações sobre a interface com a página de compras e tirou dúvidas de quem teve dificuldades de realizar os pedidos.

A interdisciplinaridade é uma marca importante nesse projeto e as parcerias também são significativas para que as ações se concretizem. Para Magno dos Santos Roza, extensionista rural da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-Rio) de Itaguaí, parceiro do Programa e do sistema das Cestas, a interação entre professores, estudantes e agricultores constrói caminhos férteis: “É umas das raras ocasiões em que conseguimos integrar ações de ensino agrícola, pesquisa agropecuária e extensão rural, fazendo jus aos nossos papéis como profissionais de ciências agrárias, servidores públicos e, acima de tudo, cidadãos”.

Para a professora Nídia Majerowicz, o sistema de cestas foi um passo importante no Fortalecimento da Agricultura Familiar em plena pandemia: “Mostramos unidade na ação, cada um contribuindo de acordo com as suas iniciativas e trabalho. Evidenciamos para a sociedade o potencial da agricultura familiar na saúde e na segurança alimentar da população. Ampliar a produção local é fundamental.”

A chamada de compras para entrega na próxima quarta-feira, 29 de abril, já fechou, mas uma nova lista de produtos ficará disponível entre os dias 27 e 29 de abril para retirada no dia 6 de maio.

Primeira Cesta da Agricultura Familiar em números

Número de cestas vendidas

49

Agricultores e agricultoras envolvidas

13

Produtos cadastrados no site

165

Receita bruta

R$ 4.000

Produtos mais vendidos

Banana

Rúcula

Alface crespa

Abacate

Tangerina

Para saber mais sobre a Cesta da Agricultura Familiar:

Site: www.fafrural.com.br

Instagram: @fafrural

Whatsapp: https://chat.whatsapp.com/BtqJV09tN6gFzZNPDysP6a

Texto e fotografias: Equipe de Comunicação do Projeto de Extensão FAF