O MPF (Ministério Público Federal) na Baixada Fluminense encaminhou hoje um ofício à UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) solicitando informações sobre o sistema de cotas no campus Nova Iguaçu.

A investigação foi instaurada após uma denúncia anônima sobre fraudes na auto declaração de cotas raciais. Um dos casos é o de uma estudante de ciências econômicas, que ingressou no segundo semestre de 2018.

O objetivo do inquérito consiste em identificar situações de fraude nas auto declarações, segundo o procurador da República Júlio José Araújo Junior.

O MPF enviou ofícios aos diretores de todos os institutos e universidades federais da Baixada Fluminense, pedindo informações sobre os processos para acesso às cotas.

O que diz a UFRRJ

Procurada pelo UOL, a UFRRJ informou que irá dar os devidos encaminhamentos para atender a solicitação do MPF.

Sobre a política de cotas, a universidade informa que até o dia 4 de junho não havia recebido nenhum registro formal de denúncias relacionadas a fraudes na Cota Étnico-Racial (PPI).

No dia 26 de junho, foram identificadas trinta denúncias sobre alunos com matrículas ativas que supostamente fraudaram o sistema de cotas. Após isso, a instituição iniciou os trâmites de apuração dos casos.

A entidade diz que o corpo de estudantes é composto por 54,7% de pretos, pardos e indígenas, segundo a Pesquisa Nacional sobre o Perfil Socioeconômico e Cultural dos Graduandos das Instituições Federais de Ensino Superior, realizada em 2018 pela Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior).

Fonte: https://educacao.uol.com.br/noticias/2020/07/20/mpf-apura-fraude-no-sistema-de-cotas-da-universidade-federal-rural-do-rj.htm

Entrada da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), campus Nova Iguaçu - Divulgação/UFRRJ
Entrada da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), campus Nova Iguaçu Imagem: Divulgação/UFRRJ

 

 

Faça o seu comentário