Trinta e quatro municípios do Rio de Janeiro estão em alerta segundo o ciclo do Levantamento feito pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria Estadual de Saúde, de março e abril de 2015.   Segundo o Secretário de Saúde e Defesa Civil de Seropédica Dr. Artur Corrêa, os principais criadouros do mosquito são: “Lixo (48%) e os reservatórios de água ao nível do solo (17%). Além dos dois criadouros, larvas são encontradas também em pequenos depósitos móveis, como vasos de plantas, bebedouros de animais e baldes (14%); pneus (10%); pequenos depósitos fixos, como calhas, lajes vasos sanitários e ralos de banheiro (6%); criadouros naturais, como ocos de árvores, ocos em pedras e flores (3%); e reservatórios de água elevado (2%)” destaca Dr. Artur.

De acordo com a Coordenadoria de Vigilância em Saúde do Governo do estado do Rio de Janeiro, os índices de infestação Identificados pelo levantamento são preocupantes, com 16 municípios em alto risco (infestação maior que 3,9%) e 34 municípios em alerta (entre 1 e 3,9%).                                            “Esse resultado demonstra que mais do que nunca, que os Agentes de Combate a Endemias de Seropédica estão no caminho certo em intensificar as mobilizações sociais no combate à Dengue, como está sendo feito nas escolas municipais e nas visitas as residências” destaca Wagner Teixeira.

Segundo a Coordenadoria de Vigilância em Saúde de Seropédica, os seis principais criadouros estão diretamente ligados à atuação da população (hábitos inadequados de descartes e acúmulo de água para consumo, na forma de conservação e destinação do lixo, limpeza de seu quintal, vasos de plantas, reservatório de água sem tampa).                                                                                                       “Isso está sendo levado em consideração pelos coordenadores municipais de Saúde para desenvolverem estratégias de combate à epidemia e ações educativas voltadas para a mudança de hábito da população” disse o Prefeito Martinazzo.

dengue não