Sempre buscando melhorar à qualidade de vida dos moradores, deve-se evidenciar à participação de Seropédica no Programa Calçada Acessível, trata-se de um projeto de mobilidade urbana em parceria com a ABCP (Associação Brasileira de Cimento Portland) e a FIRJAN, onde utiliza-se à ferramenta denominada “Charrete Meeting”. A atividade consistiu em um projeto colaborativo para o estudo de soluções para uma cidade, o objetivo das ações que foram aplicadas foi para orientar os envolvidos em relação ao processo de melhoria da qualidade das calçadas, com padronização e acessibilidade, e a cidade como todo.

 

Por causa disso que o projeto “Seropédica Cidade Sustentável”, coordenado pelo arquiteto Guilherme Takeda, tem dado bons frutos para o município de Seropédica. Várias empresas estão vindo para o município, novas ruas estão sendo abertas e asfaltadas, alguns dos projetos feitos por esta equipe foram aprovados pelo governo do Estado e em breve estarão sendo colocados em pratica. O responsável e idealizador da maioria destes projetos, o Ex-secretário de Planejamento e Desenvolvimento Sustentável Wilson Beserra disse: “A Secretaria de Planejamento tem como missão promover medidas e formular projetos que estejam em sinergia com o Desenvolvimento Sustentável da cidade e da região, por isso que nós a Prefeitura de Seropédica a ABCP em parceria com a Firjam trouxemos um dos maiores Arquitetos para colocar no papel este sonho que está se tornando realidade”

 

Baseado neste projeto feito em Seropédica o Arquiteto e Paisagista Guilherme Takeda está fazendo uma revolução agora no município de Goiânia.  Goiânia é a cidade dos parques. São 33 implantados pela Capital, segundo dados da Associação Municipal de Meio Ambiente (Amma). Mas, apesar de ser tão valorizado pela população, o goianiense sempre recebeu o espaço concebido, nunca participou da formatação de um projeto. Esta será a experiência que ele está sendo convidado a vivenciar nos próximos dias, no workshop do Projeto do Parque do Cerrado.

O evento, aconteceu nos dias 11 e 12 de março, no Centro Cultural Oscar Niemeyer, reunindo pessoas de todas as idades, profissionais ou leigas, para auxiliar a equipe de arquitetura na concepção do parque, que fica no bairro Lozandes e é o maior da capital. Criado pela Lei nº 9.360/2013, possui 706 mil metros quadrados. Corresponde ao tamanho de oito parques Vaca Brava ou cinco Parque Flamboyant.
Reconhecido por seus projetos em áreas públicas concebidos com a participação da sociedade, o arquiteto Guilherme Takeda irá desenvolver este mesmo método em Goiânia, na elaboração do Parque do Cerrado.

Ele participou de um encontro no espaço, aberto à comunidade, para explicar como esta interação colaborativa na prática. Na oportunidade, foi recebido pelo vice-prefeito de Goiânia Agenor Mariano e pelo presidente da Agência Municipal de Meio Ambiente, Pedro Wilson. “É importante que as pessoas tomem consciência da importância de se preocupar e de se envolver com a construção de um espaço público”, definiu o propósito da colaboração. Denominado charrette, este método colaborativo vem sendo desenvolvido com mais intensidade nos Estados Unidos para projetar grandes espaços públicos.

No Brasil, Takeda tem sido um de seus principais aplicadores. “Não faz sentido um japonês do Rio Grande do Sul vir aqui dizer o que os goianos querem ver no parque, são vocês que precisam nos dizer”, disse, referindo-se a si mesmo, em tom de descontração, para explicar a proposta de trabalho. “Seremos apenas instrumentos de vocês”, completou ele, que assina projetos similares desenvolvidos em Seropédica, considerada hoje uma cidade sustentável no Rio de Janeiro, na revitalização da cidade gaúcha Gravataí, na revitalização do bairro paulista Tauapé, entre outros.
Leia mais sobre o Projeto Charrete. Durante os dois dias de workshop, dinâmicas serão realizadas para todos refletirem sobre o parque almejado e todos serão convidados a traduzir seu pensamento em desenhos. “Ele não precisa ser um técnico, o que queremos é captar a expressão e o desenho por meio de seus traços”, disse.

Mais de 100 pessoas são esperadas, entre representantes de associações de bairro, dirigentes de organizações e entidades ligadas a urbanismo e meio ambiente, estudantes e profissionais que atuam nestas áreas e, ainda, pessoas interessadas em participar. O evento será também transmitido ao vivo pelo Youtube. Quem quiser participar virtualmente, poderá enviar as suas ideias na fan page do projeto que já está no ar no Facebook com o nome Workshop de Projeto do Parque do Cerrado.
Próximo passo: obras do Parque do Cerrado A iniciativa do projeto colaborativo é uma parceria entre a Prefeitura de Goiânia, através da Agência Municipal de Meio Ambiente (Amma), Fórum Goiano de Habitação (integrado pelas instituições do setor imobiliário Ademi, Secovi e Sinduscon), Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) e Euroamérica Incorporações.
Após o workshop, o projeto já tem data para ser entregue à prefeitura: no início de abril de 2015, menos de um mês após o evento. Takeda esclareceu ainda que outro propósito desta metologia é dar agilidade ao processo de implantação. “Os projetos serão entregues orçados, o que facilita a prefeitura buscar recursos tanto na iniciativa privada quanto nos programas de governo”, diz.
Por enquanto, a iniciativa conta com a adesão da Euroamérica Incorporações, que contribuir com parte da implantação do Parque do Cerrado, e a ideia é que mais adiram ao processo para contribuir com a concretização do projeto, como aconteceu nas demais cidades onde o método charrette foi aplicado.

DSC_0040 DSC_0042 DSC_0047 DSC_0049 DSC_0056 DSC_0092 DSC_0126 DSC_0130

DSC_0031