O índice de pessoas cadastradas no Bolsa Família tem aumentado muito ultimamente, devido ao desemprego. Muitas pessoas se inscrevem no Cadastro Único em Seropédica, mas não consegue receber o benefício porque a sua renda familiar ultrapassa o valor exigido pelo programa.

A Secretária de Assistência Social e Direitos Humanos Fernanda Moffati disse: “O Cadastro Único é o responsável por identificar potenciais beneficiários dos programas sociais, dentre eles, o Bolsa Família, Telefone Popular, Minha Casa Minha Vida e Tarifa Social de Energia Elétrica. O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal é um instrumento que identifica e caracteriza as famílias de baixa renda, permitindo que o governo conheça melhor a realidade socioeconômica dessa população. Nele são registradas informações como: características da residência, identificação de cada pessoa, escolaridade, situação de trabalho e renda, entre outras” destaca. 

Em Seropédica atualmente são beneficiadas cerca de 8000 pessoas inscritas no programa, que comprovaram que realmente necessitam desta ajuda. A Coordenadora do Cadastro Único e do Programa Bolsa Família de Seropédica, Veronica Farias do Santos, disse que diariamente são distribuídos trinta senhas para o atendimento do Cadastro Único, mas na realidade sempre passa dos quarenta atendimentos, devido a muitas pessoas serem especiais, muitas chegam até de cadeira de rodas, ou são muito idosas.

As inscrições são feitas nos CRAS do Jardim Maracanã, CRAS do Bairro Boa Esperança e o CRAS do Bairro Campo Lindo, e são lançados no sistema na Subprefeitura do Km 40.

​Diversos programas e benefícios sociais do Governo Federal utilizam o Cadastro Único como base para seleção das famílias:

  • ​​Programa Bolsa Família
  •  Programa Minha Casa, Minha Vida
  •  Bolsa Verde – Programa de Apoio à Conservação Ambiental
  •  Programa de Erradicação do Trabalho Infantil – PETI​
  •  Fomento – Programa de Fomento às Atividades Produtivas Rurais
  • Carteira do Idoso;
  • Aposentadoria para pessoa de baixa renda;
  • Programa Brasil Carinhoso;
  • Programa de Cisternas;
  • Telefone Popular;
  • Carta Social;
  • Pro Jovem Adolescente;
  • Tarifa Social de Energia Elétrica;
  • Passe Livre para pessoas com deficiência;
  • Isenção de Taxas em Concursos Públicos.   Como fazer para se inscrever no Cadastro Único:

    O município promove visitas domiciliares às famílias de baixa renda periodicamente para efetuar o cadastramento. Mas a família que se enquadra nas rendas acima e ainda não está inscrita no Cadastro Único, pode procurar um CRAS – Centro de Referência em Assistência Social no município e solicitar o cadastramento.

    Para que a família possa ser cadastrada, é importante:

    • Ter uma pessoa responsável pela família para responder às perguntas do cadastro. Essa pessoa deve fazer parte da família, morar na mesma casa e ter pelo menos 16 anos.
    • Para o responsável pela família, de preferência uma mulher, é necessário o CPF ou Título de Eleitor. Exceção: no caso de responsável por famílias indígenas e quilombolas, pode ser apresentado qualquer um dos documentos abaixo. Não precisa ser o CPF ou o Título de Eleitor.
    • Apresentar pelo menos um documento de todas as pessoas da família:- Certidão de Nascimento; – Certidão de Casamento;

      – CPF;

      – Carteira de Identidade (RG);

      – Certidão Administrativa de Nascimento do Indígena (RANI);

      – Carteira de Trabalho; ou

      – Título de Eleitor.

    • Levar um comprovante de endereço, que pode ser conta de água ou luz. Não é obrigatório apresentar, mas ajuda no preenchimento do endereço.Importante:Após o cadastramento da família, é importante manter os dados sempre atualizados. 

      ​Sempre que mudar algo na família, como nascimento de um filho, mudança de casa ou de trabalho ou quando alguém deixar de morar na residência, o responsável familiar deve procurar o CRAS e efetuar a atualização dos dados da família.​

Faça o seu comentário