Foi realizado nesta terça-feira (20) a XIII Conferência Municipal de Assistência Social de Seropédica, o evento aconteceu na Quadra de Esportes da Escola Municipal Valtair Gabi, com Tema: “Assistência Social: Direito do Povo e Dever do Estado, com financiamento público, para enfrentar as desigualdades e garantir proteção social”. 

Logo após o credenciamento foi realizado a Mesa de Abertura pelo Assessor Especial do Governo, Antônio Adolfo Garbocci Bruno. Participaram da Mesa de Abertura: Representando o Prefeito Professor Lucas, o Secretário de Governo, Fabio Mofati, a Vice-prefeita e Secretária de Assistência Social e Direitos Humanos, Vandrea Furquim, a Subsecretária de Assistência Social, Pretta Gonçalves, e a Conselheira Estadual de Assistência Social, Erika Rangel.

O Secretário de Governo Fabio Mofati, informou que veio representando o Prefeito Lucas, que está com problema momentâneo de saúde. Fabio elogiou atuação da Secretária de Assistência Social, por sua visão humanitária. “O Prefeito fez uma excelente escolha em indicar Vandrea Furquim para assumir uma pasta importante da prefeitura, onde promove o total acesso à cidadania as pessoas com vulnerabilidades Social”. 

A Secretária de Assistência Social Vandrea Furquim deu boas vindas a todos e falou sobre a importância da Conferência Municipal; “Além de reafirmar o papel da Assistência Social como política garantidora de direitos e da urgente necessidade de dar visibilidade a esta contribuição para a sociedade, o tema da Conferência traz os usuários para o centro do debate. A conferência é um momento de analisar as políticas públicas de assistência social e pensar em novas diretrizes para o nosso município”. 

Obs: O evento vai encerrar nesta quarta-feira 21/07 no mesmo local

Política Pública Social de Assistência Social

Esta política pública social foi legalizada em 1988, conforme Art. 203 da Constituição Federal do Brasil, o qual diz que a Assistência Social é um conjunto de leis, responsabilidades, estruturas físicas, serviços, recursos financeiros e institucionais e trabalho de profissionais, para proporcionar a proteção social como direito constitucional, a todos a quem dela precisar. Prioritariamente, mas não exclusivamente, a assistência social deve oferecer às pessoas, famílias, grupos, comunidades e populações, recursos iniciais para que as situações de risco e vulnerabilidade social não comprometam suas vidas.