“Vamos evitar mais violência”, pede Padre nigeriano

Ainda não há informações sobre os culpados pelo assassinato de dezenas de pessoas que assistiam à missa no domingo de Pentecostes em Owo, na diocese de Ondo, na Nigéria. Em […]

0
50

“Vamos evitar mais violência”, pede Padre nigeriano

Ainda não há informações sobre os culpados pelo assassinato de dezenas de pessoas que assistiam à missa no domingo de Pentecostes em Owo, na diocese de Ondo, na Nigéria. Em entrevista exclusiva à ACN, o padre Augustine Ikwu, diretor de Comunicação Social da diocese, fala sobre o estado dos feridos e como a Igreja local está fazendo tudo o que pode para evitar mais violência.

Exatamente quantas pessoas foram mortas ou feridas no ataque que ocorreu no domingo passado?

Já temos 38 no necrotério: cinco crianças, uma menina e quatro meninos; dois adolescentes, uma menina e um menino; doze homens adultos e dezenove mulheres adultas. Ainda estamos tentando contabilizar os nomes daqueles que estão no hospital. Já temos muitos nomes, mas alguns foram levados para hospitais particulares, então estamos tentando entrar em contato com as famílias de cada pessoa que estava na igreja naquele dia, para que possamos prestar contas de todos. Além disso, estamos pedindo a qualquer pessoa que se responsabilizou pelos corpos de seus familiares que entre em contato conosco. Portanto, não podemos fornecer números definitivos.

Qual é a condição dos feridos? O número de mortos ainda pode aumentar?

Eu estava no hospital ontem, e vi os que estavam lá. Eles são relativamente estáveis, exceto por alguns que estão gravemente feridos. Os médicos estão fazendo um ótimo trabalho e espero que sobrevivam, com a graça de Deus, nossas orações e os esforços dos médicos.

O que sabemos sobre os atacantes?

Ainda não temos nada concreto. Tem havido muita especulação, mas não queremos nos ater a especulações que possam se revelar incorretas. Algumas especulações soam bastante lógicas e se encaixam na situação geral de nosso país no momento, como a insegurança, a agitação política e os conflitos entre pastores e agricultores Fulani. Embora não possamos dizer que essa especulação é falsa, também não podemos confirmá-la. São possibilidades. Mas até que consigamos obter os fatos, não podemos dizer. Espero que alguém seja pego e confesse os reais motivos por trás do ataque.

Existe um histórico de conflito no estado? De violência por militantes islâmicos ou por pastores Fulani?

Este tem sido geralmente pacíficos. Ocasionalmente acontece algo, mas não são situações graves. É realmente um estado pacífico e é difícil acreditar que os muçulmanos locais fariam algo assim. Sempre houve uma divisão clara entre os muçulmanos do norte e do sul. Os muçulmanos que vivem em nossa região são relativamente pacíficos e vêm denunciando publicamente essa atrocidade. Portanto, não podemos simplesmente anexar isso a eles.

Quais são as principais necessidades da diocese no momento?

É um momento difícil para nós, e pedimos ao mundo inteiro que nos sustente em suas orações. Rezemos pelos falecidos, feridos e suas famílias na diocese. Iniciamos uma novena hoje e estamos convocando a todos para se juntarem a nós.

Apelamos também a quem puder para nos ajudar nas investigações. Mas também gostaríamos de pedir ao mundo que tenha consciência do estado de insegurança, não apenas em nosso estado agora, mas em todo o país. Porque a insegurança literalmente tomou conta do país neste momento. E se eu pudesse dizer alguma coisa ao atual governo, diria que não é desonroso renunciar quando você se depara com uma situação que não pode lidar. Se o país se tornou ingovernável, deveria ser honroso renunciar e deixar espaço para alguém intervir, que poderia lidar melhor com isso. Não devemos permitir que a ganância nos conduza.

O senhor está preocupado que a comunidade cristã possa tentar se vingar de supostos culpados pelo que aconteceu?

O bispo continua apelando ao público para evitar mais violência. Que sejam pacíficos, respeitadores da lei e não façam justiça com as próprias mãos. Ninguém deve sair para cometer o mal em troca do mal. Esse não é o modo de vida cristão. Mesmo nessas situações, respondemos ao mal com paz. Isso é fácil de dizer, mas difícil de praticar. Mas a longo do tempo descobrimos que isso é melhor para a sociedade.

Temos esperança em Deus. Somos como os três companheiros do Antigo Testamento que foram lançados na fornalha. Eles disseram: “Se o nosso Deus não pode nos salvar, então vamos perecer na fornalha”, e Deus os salvou. Então, talvez isso também seja um desafio a Deus. As pessoas estão clamando por ele neste momento, porque elas realmente não podem controlar a situação. Esperamos que Ele ajude, cremos que Ele o fará, mas temos medo. As pessoas podem querer resolver o problema com as próprias mãos, porque muitas simplesmente não se importam mais. Por isso, fizemos apelos ao público em geral para evitar mais violência e não causar mais danos.

Fonte: ACN