Os vagões da primeira viagem de trem da ferrovia Norte-Sul chegaram ao Porto de Santos, no litoral de São Paulo, no dia 3 de junho, e atualmente estão chegando quase que diariamente. Vale lembrar que esta sendo uma iniciativa do Governo Bolsonaro. 

A Ferrovia Norte-Sul (EF-151) é uma ferrovia longitudinal brasileira, em bitola larga, projetada para ser a espinha dorsal do sistema ferroviário nacional, interligando as principais malhas ferroviárias das cinco regiões do país. Seu projeto atual foi concebido num eixo norte-sul na região central do território brasileiro, possibilitando a conexão entre as malhas ferroviárias que dão acesso aos principais portos e regiões produtoras do país, que até então estavam regionalmente isoladas. Quando concluída, possuirá a extensão de 4.155 quilômetros e cortará os estados de Pará, Maranhão, Tocantins, Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, conectando os extremos do país.

Atualmente, seu traçado efetivo vai de Açailândia (MA) a Estrela d’Oeste (SP). Porém, apenas o trecho entre Açailândia (MA) e Porto Nacional (TO), sob responsabilidade da concessionária VLI, e entre Rio Verde (GO) e Estrela d’Oeste (SP), sob responsabilidade da concessionária Rumo Logística, estão totalmente operacionais. Já o trecho entre Porto Nacional (TO) e Anápolis (GO), que tem suas obras concluídas desde 2014, e o trecho entre Ouro Verde de Goiás (próximo a Anápolis) e Rio Verde (GO) seguem em fase de investimentos para a construção de terminais para torná-los operacionais.

A viagem marca o período de testes da futura operação da Malha Central, da ferrovia Norte-Sul. A primeira viagem começou no terminal de Rio Verde, onde foram carregados 40 vagões com soja. O trem passou por São Simão e outros 80 vagões com soja foram adicionados na composição. Os 40 primeiros vagões foram descarregados em Santos e os outros em um terminal da margem esquerda do porto, em Guarujá.

Esse trecho da ferrovia facilitará o escoamento da produção agrícola do Centro-Oeste para o Porto de Santos. Ele é operado pela Rumo, empresa que arrematou, em leilão, em março de 2019, os tramos central e sul da ferrovia.

Para tornar a malha ferroviária operacional, a empresa investiu em obras de infraestrutura e terminais, incluindo a implantação de trilhos e a construção de quatro pontes entre os estados de Goiás, Minas Gerais e São Paulo. Com duração de 30 anos, o contrato abrange 1.537 quilômetros entre Porto Nacional (TO) e Estrela D’Oeste (SP), que estarão totalmente operacionais até o fim de julho de 2021.