Existe um “portal” para o centro da Terra nos destroços de um local de projeto científico abandonado em Murmansk, Rússia. Porquê? Os habitantes locais também o conhecem como ‘o poço para o inferno’. Saiba mais aqui!

Existe um “portal” para o centro da terra que se situa nas ruínas de um local de projeto científico abandonado em MurmanskRússia, não muito longe da fronteira com a Noruega. Está completamente vedado e soldado, mas ainda assim, soa a filme de terror, basta uma rápida pesquisa na internet sobre o buraco mais profundo do mundo sugere “Kola Superdeep Borehole sound“. Não admira que os habitantes locais o apelidem como “o poço para o inferno”.

A que profundidade está o buraco mais fundo do mundo?

Conhecido por Kola Superdeep Borehole (em português, o Poço Superprofundo de Kola),o buraco mais profundo escavado atinge aproximadamente 12.262 metros abaixo da superfície da Terra, uma profundidade que levou cerca de 20 anos para ser alcançada.

O buraco foi concebido para se ir “o mais profundo possível”, algo que as investigações prévias esperavam que rondasse os 14.500 metros. Contudo, cientistas e engenheiros foram forçados a desistir no momento em que se depararam com temperaturas inesperada e excessivamente altas. A 12.262 metros abaixo da superfície, as rochas de 2,7 mil milhões de anos de idade apresentam temperatura em torno dos 180ºC. Isto revelou ser quase duas vezes mais quente do que o inicialmente previsto pelos investigadores.

The deepest hole ever drilled, the Kola Superdeep Borehole, is 7.5 miles (12 km) deep. Yet this is a mere 0.18% of Earth’s radius. If Earth were an apple, we wouldn’t have even broken the skin.

Ver imagem no Twitter
 
As rochas parecem plástico

Temperaturas assim tão altas deformam as brocas e a tubagem. As próprias rochas tornam-se também mais maleáveis. Os cientistas russos em Kola descreveram que as rochas a esta profundidade se comportaram mais como plástico do que como rocha. Desde a interrupção da perfuração em 1992, com o local a ser abandonado cerca de uma década mais tarde, o Kola Superdeep Borehole tem mantido o recorde do ponto artificial mais profundo da Terra.

Existem razões para o fato de nós, humanos, escavarmos as profundezas da Terra – por causa da extração de recursos, como combustíveis fósseis e metais, ou por razões meramente científicas. Experiências à procura de neutrinos, partículas subatômicas quase sem massa que são produzidas em eventos astronômicos explosivos como estrelas explosivas e explosões de raios gama, necessitam que os seus detetores sejam colocados muito abaixo da superfície da Terra.

É o caso do Observatório Neutrino IceCube da Universidade de Wisconsin, situado na Antártida. Estas profundidades são necessárias para detectar o sinal fraco dos neutrinos da radiação. No caso do IceCube, os experimentos estendem-se até 2,4 km através com dezenas de milhares de litros de água quente para derreter o gelo. Perfurar o Poço Superprofundo de Kola foi, em grande parte, puramente científico. Os cientistas soviéticos queriam aprender mais sobre a camada mais externa do nosso planeta -a crosta-, para entender como se formou e evoluiu.

As camadas da Terra
Os cientistas soviéticos queriam aprender mais sobre a crosta, para saber o seu processo de formação e desenvolvimento.

O que aprendemos com a perfuração?

Os cientistas ficaram surpreendidos com aquilo com que se depararam. Aprenderam obviamente que o mapa de temperatura do interior da Terra tinha que ser atualizado, dado que foram alcançadas temperaturas mais quentes do que o esperado. Em torno de 4 km de profundidade, foram encontrados fósseis de organismos marinhos celulares com 200 milhões de anos de idade.

Ao escavarem as profundezas da Terra, encontraram água líquida a uma profundidade muito maior do que aquilo que se pensava anteriormente. Os cientistas creem que a água poderá ter sido espremida dos cristais das rochas devido à pressão incrivelmente elevada.