A Secretaria Municipal de Saúde de Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, investiga um caso de falsa aplicação da vacina contra a covid-19 em um idoso.

Em um vídeo que circulou pelas redes sociais é possível ver o momento que a técnica de enfermagem injeta a seringa no braço e a retira sem aplicar a dose. O caso aconteceu na última sexta-feira (12), no drive-thru do campus da Universidade Federal Fluminense (UFF), no Gragoatá.

De acordo com a Prefeitura de Niterói, a profissional de saúde já foi identificada e afastada das atividades. Em nota, a secretaria do município informou ainda que “o fato está sendo apurado e as medidas cabíveis serão tomadas”. Ainda segundo a SMS, além da auditoria que já ocorre diariamente no local de vacinação, uma nova inspeção foi feita e ficou constatado que “apenas uma seringa foi descartada com líquido”.

Logo após o ocorrido, a Prefeitura de Niterói informou que entrou em contato imediatamente com a família do idoso e que, no mesmo dia, uma visita foi agendada no qual um médico e uma enfermeira realizaram a aplicação da vacina de forma domiciliar.

Falsa vacinação também em Petrópolis

Na região serrana também aconteceu um caso semelhante ao de Niterói. Uma idosa de 94 anos recebeu uma dose de ar ao invés da vacina de covid-19. Um vídeo feito por familiares mostra a profissional inserindo a seringa vazia no momento da aplicação.

A prefeitura confirmou o caso, que também aconteceu na última sexta-feira (12), em um posto montado em uma universidade da cidade. A idosa voltou ao posto no dia seguinte e foi devidamente vacinada, já a técnica de enfermagem responsável pela aplicação foi afastada e será ouvida ainda hoje em um procedimento interno.

No vídeo, é possível ver a profissional tentando tirar a proteção da agulha da seringa. Após ser aconselhada por um familiar da idosa a trocar a seringa, a técnica foi à tenda, pegou outra seringa e, sem a dose, “aplicou” a vacina.

Em nota, a prefeitura afirmou que abriu procedimento para apurar o caso e que as equipes de saúde são orientadas a seguirem os protocolos, que consistem em permitir que o vacinado ou familiar acompanhe e registre o processo, desde o manuseio da ampola até a aplicação.

Em paralelo, a Polícia Civil também iniciou uma investigação tanto sobre a falsa vacinação em Petrópolis, quanto em Niterói. Em nota, os agentes informaram que já vêm investigando possíveis desvios relacionados à vacinação. Entre elas, já existem apurações relacionadas às denúncias de falsa dose de vacina em Niterói e Petrópolis.

“Se as investigações confirmarem que houve desvio de dose, ou qualquer outra irregularidade, o profissional de saúde poderá ser autuado pelo crime de peculato, que tem penas que podem chegar até a 12 anos de reclusão.”.

Fonte: UOL