O calendário gregoriano é o calendário solar para contagem dos anos, meses, semanas e dias e que tem como base as estações do ano.

O calendário gregoriano é um calendário criado na Europa em 1582, por iniciativa do papa Gregório XIII.

O calendário surgiu com o objetivo de corrigir os erros do calendário anterior: o calendário juliano. O calendário gregoriano é o calendário mais usado no mundo atualmente.

Apesar de não ser considerado um calendário perfeito, ele é mais preciso do que o seu predecessor, o calendário juliano.

Alguns defeitos do calendário gregoriano são: a irregularidade da duração dos meses (entre 28 a 31 dias), a relação entre a data e o dia da semana e a mobilidade de datas cristãs, como a Páscoa.

Um calendário é um sistema de medida de tempo que agrupa e faz a contagem dos dias, dividindo-os em meses e anos.

Quanto à etimologia, a palavra calendário vem do latim calendarium, que significa livro das calendas. Este era o livro usado para contar os dias das festividades religiosas marcadas no início de cada mês lunar na Roma Antiga, antes da introdução do calendário juliano.

O calendário é chamado gregoriano como homenagem à papa Gregório XIII, seu criador.

Como funciona o calendário gregoriano?
De acordo com o calendário gregoriano, o ano é constituído por 12 meses que podem ter entre 28 a 31 dias. Um ano pode ter 365 ou 366 dias, chamado neste caso de ano bissexto.

Janeiro – 31 dias
Fevereiro – 28 ou 29 dias
Março – 31 dias
Abril – 30 dias
Maio – 31 dias
Junho – 30 dias
Julho – 31 dias
Agosto – 31 dias
Setembro – 30 dias
Outubro – 31 dias
Novembro – 30 dias
Dezembro – 31 dias

O mês de fevereiro tem às vezes 28 dias, e outras vezes 29 dias, dependendo se o ano é bissexto ou não.

Os anos bissextos ocorrem a cada quatro anos e possui 366 dias, ou seja, um dia a mais que os anos comuns, com 365 dias. Este dia a mais é 29 de fevereiro.

A implementação do calendário gregoriano permitiu o ajustamento do calendário com eventos astronômicos como o equinócio de primavera e solstício de inverno.

Origem do calendário gregoriano

Antes de ser criado, o calendário gregoriano, estava em vigor o calendário juliano, que estava atrasado. Por isso, a Páscoa ocorria mais tarde do que o equinócio da primavera. A reforma do calendário foi discutida no Concílio de Constança e mais tarde no Concílio de Trento.

O calendário gregoriano foi implementado em 1582 na Itália, Polônia, Portugal e Espanha. Apesar de terem sido implementadas pelo Papa Gregório XIII, as reformas no calendário foram criadas pelo astrônomo e filósofo italiano Luigi Giglio.

Diferenças entre o calendário gregoriano e calendário juliano
O calendário gregoriano veio substituir o calendário juliano. Este último foi instituído pelo ditador romano Júlio César, mas continha algumas imprecisões. Ele não contemplava o movimento de translação da Terra, ou seja, o tempo que a Terra demora a circular à volta do Sol.

A fórmula usada para calcular os anos bissextos, foi alterada com o calendário gregoriano. Sendo assim, quando este foi implementado, 10 dias foram excluídos do calendário para reajustar as imprecisões criadas pelo calendário juliano. Assim, em 1582 do dia 4 de outubro passou para 15 de outubro.

O que é o Ano bissexto?

Ano bissexto é chamado o ano que tem 366 dias, ou seja, um dia a mais que o normal (365 dias), o dia 29 de fevereiro. O termo bissexto faz referência ao duplo seis na quantidade de dias desses anos (366).

De acordo com a regra, no ano bissexto é incluído um dia extra no final do mês de fevereiro, que passa a ter 29 dias.

Segundo as especificações definidas no calendário gregoriano, que é seguido atualmente, os anos bissextos acontecem em intervalos de quatro anos.

No entanto, vale atentar para algumas observações importantes sobre o funcionamento dos anos bissextos: os anos seculares, por exemplo, não são considerados bissextos, com exceção daqueles cujos dois primeiros algarismos são divisíveis por quatro. Exemplo: 1600, 2000, 2400, etc.

Por que e quando o ano bissexto foi criado?
Os anos bissextos foram criados com o objetivo de regular o calendário anual com a translação da Terra, que tem um período um pouco maior que 365 dias.

Assim, evita que os eventos sazonais relacionados às estações do ano sejam alterados, por exemplo.

A Terra leva aproximadamente 365 dias e 6 horas para dar uma volta completa ao redor do sol. Ao multiplicar as seis horas restantes por quatro anos, obtém-se um dia inteiro que, teoricamente, seria descontado e afetaria a sincronia entre o calendário terrestre e os eventos sazonais ao longo do tempo.

Com o objetivo de ajustar esse erro, que a cada quatro anos é acrescentado um dia no calendário.

Inicialmente, o ano bissexto foi criado em 238 a.C, e instituído por Ptolomeu III no Egito.

Porém, ao longo dos anos, as regras que definem o ano bissexto sofreram muitas alterações. Apenas a partir de 1582, com a definição do calendário gregoriano (pelo Papa Gregório XIII), o modelo que é visto atualmente passou a vigorar.

Próximos anos bissextos

O último ano bissexto foi o ano de 2020 e os próximos anos em que fevereiro terá 29 dias são:

  • 2024
  • 2028
  • 2032
  • 2036
  • 2040
  • 2044

Fonte: Significados