O secretário de Casa Civil da Prefeitura do Rio, Paulo Messina, afirmou durante entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (29) que o tráfico de drogas tomou estações do BRT entre a estação Cesarão 1 e Campo Grande.

Segundo Messina, o BRT não consegue voltar a circular normalmente na Zona Oeste após a falta de combustíveis provocada pela greve de caminhoneiros por problemas de segurança. O secretário afirmou que as estações viraram “quiosques do tráfico de drogas”. O problema está afetando cinco estações.

As Forças de Segurança foram acionadas nesta tarde após o Consórcio BRT informar a Prefeitura sobre a questão. “Ao ser questionado sobre o déficit do BRT no atendimento na região da Avenida Cesario de Melo, o consórcio disse que todas essas estações foram tomadas pelo tráfico de drogas. As estações viraram grandes lojas do tráfico de drogas e o poder público perdeu o controle. O tráfico está ameaçando funcionários do BRT e está impossível operar”, afirmou Messina.

“A gente acabou de sair da reunião e, paralelamente a isso, o coronel Amendola e o coronel Diógenes já estão contactando o pessoalidade secretaria de Segurança para fazer uma operação”, afirmou Messina sobre o pedido de socorro às Forças de Segurança.

Pedradas e ameaças

Ainda de acordo com Messina, os ônibus são obrigados a parar na estação sob ameaça dos traficantes. Alguns veículos articulados foram alvos de pedras ao passar pelos terminais.

“Uma parte roda porque eles são obrigados a parar nas estações porque se não o tráfico joga pedra, atira e fazem essas coisas. Os funcionários estão sofrendo ameaça, está gravíssima a situação por lá. Estão rodando na região de Campo Grande por ordem do tráfico”.

Ainda segundo a Prefeitura, a partir das 14h, o BRT já está operando com o trecho de Madureira pra frente. A partir das 16h, já estará operando no Galeão.

Fonte: Portal G1