Foi um fiasco a palestra convocada nesta segunda-feira (13), pelo Consorcio CTESA, Santa Luzia e Terra Brás realizada no Anfiteatro Gustavo Dutra na UFRRJ em Seropédica. 

Logo no início da apresentação da palestra, o relator do consorcio não sabia explicar porque a palestra foi realizada em um local de difícil acesso a população e sem um representante do DNIT. Outro questionamento foi porque o consorcio não convidou as entidades representativas da população, como a Prefeitura, Câmara de Vereadores, Conselho das Cidades, Conselho de Meio Ambiente e Conselho de Segurança Pública.

Na palestra tinha poucas pessoas, todos reclamavam da falta de segurança que a obra causou a população, tanto de Seropédica como a de Nova Iguaçu. O único representante do DNIT que estava presente não sabia explicar nada da obra. Foi vários problemas relatados que causaram vários acidentes inclusive um que resultou em óbito.

A convocação da Palestra foi feito através do Jornal Atual de Itaguaí, e uma faixa de 1,20 X 0,60 metro, no km 32 da BR 465. O maior comentário e que a convocação da palestra foi feita escondida dos moradores e dos representantes da população. No evento foi passado um abaixo assinado para que o DNIT faça uma audiência Pública para resolver os problemas que a obra vem causando, inclusive colocando em risco de vida pessoas que circulam pela Rio São Paulo.

O Presidente do Conselho Comunitário de Segurança Pública, Gilmar Moreira dos Santos, questionou os degraus entre a BR 465 e as ruas do município: “Um absurdo, tem local que o carro arrasta o fundo ao tentar entrar na Rio São Paulo. Os comerciantes estão tendo prejuízo para que os caminhões circulem com mercadoria, como no caso do Seropec, fizeram uma rotatória aonde não tem espaço para clientes entrar ou uma carreta manobrar” 

Edição de matérias sobre Seropédica e atualidades.

Faça o seu comentário