No relato da criação no livro de Gênesis, vemos que Deus disse para o primeiro homem, Adão: “De toda árvore do jardim, você pode comer à vontade. Mas, quanto à árvore do conhecimento do que é bom e do que é mau, não coma dela, porque, no dia em que dela comer, você certamente morrerá.” (Gênesis 2:16, 17) Essa ordem bem clara mostra que, se Adão obedecesse a Deus, ele não ia morrer, mas ia continuar vivendo no jardim do Éden.

Adão e Eva velhos

Infelizmente, em vez de escolher obedecer a Deus e continuar vivendo, Adão comeu do fruto proibido que sua esposa, Eva, ofereceu para ele. Assim, Adão escolheu ignorar a ordem de Deus. (Gênesis 3:1-6) Podemos perceber as consequências dessa desobediência até hoje. Falando sobre isso, o apóstolo Paulo explicou: “Por meio de um só homem o pecado entrou no mundo, e a morte por meio do pecado, e desse modo a morte se espalhou por toda a humanidade, porque todos haviam pecado.” (Romanos 5:12) O homem mencionado no texto é Adão. Mas qual foi o pecado de Adão? E por que esse pecado levou à morte?

O pecado de Adão foi desobedecer à ordem de Deus de propósito. (1 João 3:4) E a consequência do pecado foi a morte, como Deus tinha dito que ia acontecer. Se Adão tivesse sido obediente a Deus, ele e toda a humanidade não teriam o pecado e nunca saberiam o que é morrer. Na verdade, Deus não criou os humanos para morrer, mas para viver para sempre.

 Como a Bíblia diz, a morte “se espalhou por toda a humanidade”. Mas será que alguma parte de nós continua vivendo depois da morte? Muitas pessoas acham que sim. Elas acreditam que temos uma alma que continua viva depois da morte. Mas isso seria o mesmo que dizer que Deus tinha mentido para Adão. Por quê? Porque, se alguma parte de nós continua vivendo em outro lugar depois que morremos, a morte não seria a consequência do pecado, como Deus tinha dito. Mas a Bíblia diz: “É impossível que Deus minta.” (Hebreus 6:18) Na verdade, foi Satanás quem mentiu quando disse para Eva: “Vocês certamente não morrerão.” —Gênesis 3:4.

Com isso, surge uma pergunta: Se o ensino de que a alma continua vivendo depois da morte é mentira, então o que realmente acontece depois da morte?

O ENSINO DA BÍBLIA É BEM CLARO

O relato da criação em Gênesis diz: “Jeová Deus formou o homem do pó do solo e soprou nas suas narinas o fôlego de vida, e o homem se tornou um ser vivente.” A expressão “ser vivente” é uma tradução da palavra hebraica néfesh, * que significa “uma criatura que respira”. — Gênesis 2:7, nota.

Assim, a Bíblia deixa bem claro que os humanos não possuem uma alma imortal. Na verdade, cada pessoa é uma alma, ou “ser vivente”. Então, mesmo que procure, você não vai achar nenhum texto da Bíblia que fale numa alma imortal.

Vimos que a Bíblia não diz que os humanos têm uma alma imortal. Então, por que tantas religiões ensinam isso? Para saber a resposta, temos que voltar ao Egito antigo, onde tudo isso começou.

 UM ENSINO FALSO SE ESPALHA

Heródoto, um historiador grego dos anos 400 antes de Cristo, disse que os egípcios foram “os primeiros a ensinar a doutrina da imortalidade da alma”. Outro povo que acreditava que a alma é imortal eram os babilônios. Em 332 antes de Cristo, quando Alexandre, o Grande, conquistou o Oriente Médio, esse ensino já era famoso. Isso porque filósofos gregos tinham tornado essa crença bem popular em todo o Império Grego.

Você não vai achar nenhum texto da Bíblia que fale numa alma imortal

No primeiro século depois de Cristo, os essênios e os fariseus, que eram duas seitas judaicas bem importantes, ensinavam que a alma continua vivendo depois que morremos. A Enciclopédia Judaica diz: “A crença na imortalidade da alma chegou aos judeus através do contato com as crenças dos gregos e principalmente através da filosofia de Platão.” Josefo, um historiador judeu do primeiro século, disse que esse ensino não vem da Bíblia, mas sim das “crenças do povo grego”. Segundo ele, esse ensino é formado por várias lendas da mitologia.

A cultura grega foi se espalhando, e os que se diziam cristãos começaram a acreditar que a alma é imortal. O historiador Jona Lendering disse: “A teoria de Platão de que a nossa alma estava num lugar melhor e que agora vive num mundo ruim facilitou juntar os ensinamentos de Platão e os do cristianismo.” Assim, o ensino falso de que a alma é imortal aos poucos começou a fazer parte da igreja “cristã” e se tornou uma de suas crenças principais.

 “A VERDADE OS LIBERTARÁ”

No primeiro século, o apóstolo Paulo deu o seguinte aviso: “A palavra inspirada diz claramente que em tempos posteriores alguns se desviarão da fé, prestando atenção a enganosas declarações inspiradas e a ensinamentos de demônios.” (1 Timóteo 4:1) Essas palavras estavam muito certas! O ensino de que a alma é imortal é apenas um exemplo dos “ensinamentos de demônios”. A Bíblia não apoia esse ensino; ele se origina das antigas religiões falsas e das filosofias.

Mas não estamos perdidos! Jesus disse: “Vocês conhecerão a verdade, e a verdade os libertará.” (João 8:32) Quando estudamos as verdades da Bíblia, ficamos livres das práticas e ensinos errados de muitas religiões. Além disso, a verdade que encontramos na Bíblia nos livra das tradições e das superstições relacionadas à morte. — Veja o quadro “ Onde estão os mortos?”.

 O nosso Criador não queria que as pessoas vivessem só 70 ou 80 anos na Terra e depois passassem a eternidade no mundo espiritual. Desde o início, a vontade de Deus era que os humanos vivessem para sempre aqui na Terra como filhos obedientes dele. Isso é uma prova do amor de Deus pela humanidade, e nada vai impedi-lo de realizar sua vontade. (Malaquias 3:6) Confirmando isso, um escritor dos Salmos disse: “Os justos possuirão a terra e viverão nela para sempre.” — Salmo 37:29.

Faça o seu comentário