Goiás registrou 10 mortes de macacos por febre amarela em um intervalo de duas semanas, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Os três novos casos foram registrados nos municípios de Goiânia, Aragoiânia e Aparecida de Goiânia.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES), as primeiras quatro mortes de macacos foram confirmadas no dia 20 de outubro. Nove dias depois, a pasta confirmou que outros três animais morreram com a doença. Em cinco de novembro, o estado registrou mais três mortes, chegando a 10 casos. Veja a lista de cidades onde animais morreram:

Goiânia: 5
Abadia de Goiás: 1
Aragoiânia: 2
Aparecida de Goiânia: 

Segundo a pasta, a morte dos animais é um indicador de que o vírus está circulando, reforçando a necessidade de vacinação contra a doença. A dose é indicada para pessoas com idade entre 9 meses e 59 anos, podendo ser aplicada, de graça, em uma das mais de 70 salas de vacinação da capital. A imunização vale para a vida toda.

Macacos não transmitem

De acordo com a diretora de Vigilância Epidemiológica de Goiânia, Grécia Carolina Pessoni, os macacos são vítimas da febre amarela tanto quanto as pessoas que não são vacinadas podem ser.

Ela ressalta que os animais não transmitem a doença e não devem ser alvo de ataques de humanos.

“O macaco serve como um alerta porque está na linha de frente. Ele é o primeiro a ser contaminado. […] Não oferece risco nenhum para nós”, completou.

Sobe para 10 o número de macacos mortos por febre amarela em menos de um mês em Goiás  — Foto: Reprodução TV Anhanguera