Três importantes trevos de ligação do Arco Metropolitano com as rodovias federais no estado, que vão ajudar a estruturar toda a malha rodoviária da Região Metropolitana do Rio, já estão sendo construídos pela Secretaria estadual de Obras em pontos estratégicos da futura estrada. Um fica no entroncamento da BR-040 (Rio-Belo Horizonte-Brasília) com a BR-116 (Rio-Espírito Santo-Bahia), em Saracuruna (Duque de Caxias); outro está sendo construído no cruzamento com a Via Dutra, próximo à entrada de Japeri; e o terceiro, na antiga Rio-São Paulo (BR-465), em Seropédica. As obras devem ser entregues ao longo do ano de 2013.

Orçado em R$ 1,1 bilhão, o projeto compreende ainda obras de drenagem e asfaltamento das pistas e a construção de 54 viadutos, 18 pontes e 82 passagens inferiores – entre elas 10 zoopassagens na reserva florestal da Floresta Nacional Mário Xavier (Flona), em Seropédica, habitat da perereca Physalaemus soaresi, espécie ameaçada de extinção. A rodovia deverá ser inaugurada em dezembro de 2013.

O trecho se liga a outros três segmentos já existentes: o primeiro entre Itaboraí e Magé pela BR-493, cuja pista será duplicada pelo Departamento Nacional de Transportes Terrestres (DNIT); o segundo vai de Magé até o entroncamento com a BR-040, em Saracuruna, pela BR-116 (Rio-Teresópolis); e o terceiro fica na BR-101 Sul, entre Itacuruça e Itaguaí, já duplicado pelo DNIT.

A estimativa é que a obra reduza em até 20% os custos de transportes de mercadorias entre o Porto de Itaguaí e sete estados brasileiros, incluindo os da Região Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul). O impacto na economia brasileira será de R$ 1,8 bilhão, sendo 64,1% desse valor concentrados no setor de construção civil. Em longo prazo, a influência direta no Produto Interno Bruto (PIB) da região será de R$ 2 bilhões.

Os dados fazem parte do estudo Avaliação dos Impactos Logísticos e Socioeconômicos da Implantação do Arco Metropolitano do Rio de Janeiro, encomendado pelo Sistema Firjan e pelo Sebrae-RJ ao Centro de Estudos em Logística da Coppead/UFRJ e à Tendências Consultoria. Ainda, de acordo com o estudo, a previsão é de que se instalem no entorno da via empreendimentos industriais e de logística capazes de criar 800 mil empregos nos próximos 15 anos.

“O Arco Metropolitano vai viabilizar a consolidação do Estado do Rio como um dos principais centros logísticos do país. Além de elo estruturador da acessibilidade, a rodovia é um empreendimento estratégico para a Região Metropolitana do Rio, para o estado e para o país e é um projeto estruturante do desenvolvimento regional, essencial para a articulação entre os principais núcleos urbanos e o rearranjo espacial da sua área de abrangência”, concluiu o secretário estadual de Obras, Hudson Braga.

Wilson Beserra falou que Seropédica irá receber em breve várias indústrias que vai gerar um crescimento populacional muito grande, e que uma de suas maiores preocupações seria o processo de urbanização de nossa cidade e suas consequências,” um tema muito importante no planejamento de nossa cidade são as novas construções, que deverão vir com Acessibilidade e Mobilidade Urbana”. Uma quantidade enorme de veículos leves e caminhões pesados irá passar por Seropédica, e as alças de acesso ao Arco Metropolitano irá ajudar a desafogar o transito, temos obrigação de fiscalizar as obras que são feitas no nosso município, temos de fazer de nossa cidade uma cidade planejada, concluiu.