Uma mulher foi condenada pela Justiça americana pela morte do próprio marido. O papagaio da vítima foi o responsável por ajudar a elucidar o crime, que, após o assassinato, passou a repetir frequentemente a frase “Não atire, porra!” (“Don’t fuckin shoot”), enquanto imitava a voz de seu dono.

Martin Duran, de 46 anos, foi encontrado morto com cinco tiros na casa onde morava com a esposa, Glenna Duran, de 49 anos, em maio de 2015. A mulher, no entanto, foi declarada culpada apenas nessa quarta-feira (19), dois anos depois.

No fatídico dia, a mulher chegou a disparar um tiro contra a própria cabeça após matar o marido, mas sobreviveu. Desde então, ela negou a responsabilidade pelo assassinato. O testemunho do papagaio foi usado durante o processo judicial. Segundo os pais da vítima, a ave escutou o casal discutindo e passou a repetir as últimas frases do dono.

Saiba mais sobre o quanto pode falar um papagaio !

Ter um aparelho fonador especial, viver em grupo e apresentar inteligência acima da média entre as aves ajuda os papagaios a imitar outras espécies. Na natureza, os papagaios usam o canto para trocar informações. Quando são colocados em cativeiro, porém, eles compensam a falta de comunicação reproduzindo sons domésticos e palavras repetidas pelas pessoas. “Papagaios têm facilidade para imitar a voz humana porque o som que emitem apresenta características comuns à fala humana. A voz das outras aves costuma ser mais assobiada, rápida e aguda”, explica o ornitólogo Jacques Veillard, da Unicamp.

 

Faça o seu comentário