Com o álcool gel em falta nas farmácias, já tem internauta sugerindo o uso do combustível para desinfetar as mãos; especialistas esclarecem o assunto

A Organização Mundial de Saúde declarou, em 11 de março, a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Desde então, fala-se muito sobre prevenção e a importância de higienizar as mãos com álcool em gel. Com a falta do produto, alguns internautas têm sugerido o uso do combustível etanol (álcool de posto) para eliminar o vírus.

Mas o álcool de posto NÃO pode ser usado como desinfetante: ele não é eficiente contra o coronavírus e pode ser tóxico!

As pesquisadoras Andreza de Souza Andrada (química e professora da Universidade Federal de Itajubá) e Alessandra Mara de Sousa (mestranda em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de São João Del-Rei) explicam que o álcool mais indicado para evitar a contaminação pelo coronavírus é o álcool 70ºGL (ou, popularmente, 70%), pois fica mais tempo em contato com o vírus. Por isso é amplamente utilizado para este fim. Elas explicam:

Sabe-se que o álcool 70°GL tem uma boa absorção pelas membranas da pele e devido a presença de água em sua composição, facilita a entrada do álcool para dentro do patógeno (coronavírus, por exemplo) e retarda a volatilização do mesmo”.

O grau °GL (°Gay Lussac) indica a quantidade em mililitros de álcool absoluto contida em 100 mililitros de mistura hidro-alcoólica.

Por que o álcool de posto não mata o coronavírus

O consultor técnico da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), Ricardo Dilser, esclarece que o etanol vendido nas bombas é hidratado, ou seja, tem um percentual de água de 7%, sendo considerado 93°GL.

Álcoois com concentração maior do que 70% ou abaixo desse valor não são eficientes no combate ao coronavírus por motivos diferentes. No caso do álcool de posto, que tem uma concentração acima de 90%, o álcool evapora com mais facilidade, antes do tempo necessário para a sua ação contra o vírus.

Por fim, o álcool de posto pode ter a presença de outras substâncias, como metanol e hidrocarbonetos, que colocam em risco a saúde humana, ou seja, até mesmo se for diluído em água, ainda não pode ser usado para uso doméstico como desinfetante.

O combustível pode provocar irritação na pele. Em contato com os olhos, pode causar irritação severa. Já a contaminação por metanol – que pode ser absorvido pela pele – pode originar, em casos graves, cegueira e morte.

comentario facebook etanol
Internauta recomenda álcool de posto como desinfetante: especialistas são contra (Reprodução | Facebook)

Álcool 96 °GL não mata o coronavírus

Pelo mesmo motivo do etanol combustível, o álcool 96 °GL (ou “álcool de farmácia”) não é capaz de eliminar o coronavírus e desinfetar as mãos ou ambientes e objetos: o álcool evapora com mais facilidade, antes do tempo necessário para a sua ação contra o vírus

Álcool 54 °GL não serve para desinfetar

Abaixo da concentração de 70°GL, o álcool também se torna ineficiente. Sendo assim, o álcool de supermercado destinado a limpeza em geral não atenderia, já que tem uma graduação de 54°GL e não tem poder de eliminar o coronavírus e desinfetar ambientes e mãos ou esterilizar objetos.

Como prevenir a contaminação por coronavírus

Para evitar a proliferação do coronavírus, o Ministério da Saúde recomenda medidas básicas de higiene, como lavar bem as mãos (dedos, unhas, punho, palma e dorso) com água e sabão, e, de preferência, utilizar toalhas de papel para secá-las.

Além do sabão, outro produto indicado para higienizar as mãos é o álcool gel, que também serve para limpar objetos como telefones, teclados, cadeiras, maçanetas, etc.

Para a limpeza doméstica recomenda-se a utilização dos produtos usuais, dando preferência para o uso da água sanitária (em uma solução de uma parte de água sanitária para 9 partes de água) para desinfetar superfícies.

Utilizar lenço descartável para higiene nasal é outra medida de prevenção importante. Deve-se cobrir o nariz e a boca com um lenço de papel quando espirrar ou tossir e jogá-lo no lixo.

Também é necessário evitar tocar olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam limpas.

Para a higienização das louças e roupas, recomenda-se a utilização de detergentes próprios para cada um dos casos. Destacando que é importante separar roupas e roupas de cama de pessoas infectadas pelo coronavírus para que seja feita a higienização à parte.

Caso não haja a possibilidade de fazer a lavagem destas roupas imediatamente, a recomendação é que elas sejam armazenadas em sacos de lixo plástico até que seja possível lavar.

Além disso, as máscaras faciais descartáveis devem ser utilizadas por profissionais da saúde, cuidadores de idosos, mães que estão amamentando e pessoas diagnosticadas com o coronavírus.

Faça o seu comentário