Novo diagnóstico avalia manejo em SPD, método qualifica estrutura da camada superficial do solo baseado nas condições gerais da área.

A Rede de Pesquisa SoloVivo busca desenvolver ferramentas para a avaliação do plantio direto em propriedades rurais e microbacias hidrográficas. Seguindo este caminho, seus pesquisadores desenvolveram um novo método para a avaliação do manejo em plantio direto: o Diagnóstico Rápido da Estrutura (DRES).

“O DRES é uma proposta metodológica simples e audaciosa”, conta a pesquisadora Alba Leonor Martins, da Embrapa Solos, Rio de Janeiro, RJ. “Ela é simples porque é de fácil compreensão e audaciosa porque a equipe da Rede de Pesquisa SoloVivo estudou praticamente todo o material que existe nos livros sobre a estrutura do solo”.

Foram estudados em campo métodos em diferentes situações, na tentativa de interpretar o manejo do solo e observar se esses métodos refletiam na prática o que acontecia com o solo. Concluiu-se que para avaliação do manejo com plantio direto a partir da estrutura do solo, seria necessário um olhar diferenciado, ou seja, uma adaptação baseada em procedimentos adotados em outras técnicas, como a Avaliação Visual da Estrutura do Solo (VESS, da sigla em inglês), criada por Peerlkamp em 1967, o Método do Perfil Cultural (1960) e o próprio Manual de descrição e coleta de solo no campo da Embrapa.

Como funciona – O DRES qualifica a estrutura da camada superficial do solo baseado nas condições gerais da gleba avaliada, relativas à conservação ou degradação do solo e em características detectadas visualmente em amostras dos primeiros 25 cm do solo. São observados: tamanho e forma dos agregados e torrões, presença ou não de feições de compactação ou outra modalidade de degradação do solo, forma e orientação das fissuras, rugosidade das faces de ruptura, resistência à ruptura, distribuição e aspecto do sistema radicular e de evidências de atividade biológica. A partir desses critérios, atribui-se uma pontuação de 1 a 6, onde a maior nota significa a melhor condição da estrutura.

Próximos passos – A equipe continua o trabalho para consolidar a validação do método que já foi testado em experimentos de longa duração da Embrapa, e também junto aos produtores nas microbacias estudadas pela Rede de Pesquisa SoloVivo, relacionando o DRES com a infiltração da água no solo, enzimas, fertilidade, densidade entre outros indicadores de qualidade do solo. A ideia é favorecer a identificação de manejos mais adequados em longo prazo.

“A aceitação tem sido boa”, revela Alba. ”Técnicos de cooperativas do Paraná e Mato Grosso do Sul foram capacitados e já pedem novos cursos”.

O DRES é fruto de um trabalho em equipe que envolve a Universidade Estadual de Londrina (UEL), a Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação (FEBRAPDP), a Embrapa Solos, Embrapa Soja, Londrina, PR, Embrapa Trigo, Passo Fundo, RS, e Embrapa Agropecuária Oeste, Dourados, MS, com apoio da Itaipu Binacional. Ainda em 2017 será publicado um livro sobre o DRES, pretende-se também produzir vídeos que orientarão o passo a passo do diagnóstico.

Fonte: Embrapa Solos
Edição de matérias sobre Seropédica e atualidades.

Comentários