Robson Luiz de Oliveira de 28 anos e com 280 kg teve que ser resgatado por uma equipe de Bombeiros em Seropédica após sofrer uma insuficiência respiratória. A irmã do obeso Elisangela Pereira Oliveira entrou em contato com a Regulação Cisbafe Samu 192 de Nova Iguaçu, e foi maltratada pelo atendimento conforme gravação, (425) o atendente disse a família que não era responsabilidade deles transportarem pessoas obesas e que não podiam fazer nada.

Elisangela relata que fez uma peregrinação para que seu irmão fosse atendido: “Depois que fui ofendida pelo atendimento do Samu procurei a Promotora Paula no Fórum de Seropédica e relatei o que estava acontecendo, imediatamente a Promotora de Justiça entrou em contato com Corregedoria do Corpo de Bombeiros, onde o Major Leandro enviou uma equipe para fazer o resgate. Como meu irmão estava passando muito mal, foi pessoalmente a Samu de Seropédica e falei com o Coordenador das Ambulâncias Gilvan Telles que pessoalmente com sua equipe foi atender esse pedido.

Gilvan Telles comentou que a Regulação do Samu de Nova Iguaçu não comunicou este atendimento, por isso não tinha ido socorrer este rapaz: “Nosso dever e salvar vidas, nós recebemos dezenas de chamadas diariamente e procuramos sempre atender com a rapidez e segurança, Nossas equipes estão preparadas e são qualificados para atender a população vinte e quatro horas por dia”.

O problema ocorreu quando os paramédicos perceberam que não seria possível fazer com que Robson Luiz de Oliveira saísse de seu quarto, já que não passaria pela porta. Os bombeiros sob comando do Capitão Amarantes, foram obrigados a quebrar parte da parede da casa, permitindo que o homem pudesse sair. Ele teve que ser carregado por cerca de dez Bombeiros antes de entrar na ambulância, maca era maior e tiveram de tirar a trava de segurança da maca para transporta-lo, no final foi encaminhado ao Hospital Pedro II,  O trabalho dos oficiais durou em torno de três horas.

O SAMU 192 deve ser acionado nos seguinte Caso

– Acidentes / traumas com vítimas;

– Choque elétrico;

– Falta de ar intensa;

– Suspeita de Infarto ou AVC (alteração súbita na fala, perda de força em um lado do corpo e desvio da comissura labial são os sintomas mais comuns);

– Afogamentos e engasgo;

– Intoxicação ou queimaduras graves;

– Trabalhos de parto em que haja risco de morte para a mãe e para o feto;

– Tentativas de suicídio;

– Urgências psiquiátricas;

– Vítima inconsciente;

– Em casos de intoxicação exógena ou envenenamento;

– Na ocorrência de maus tratos;

– Crises hipertensivas; dores no peito de aparecimento súbito;

– Acidentes com produtos perigosos;

– Agressão por arma de fogo ou arma branca;

– Soterramento, Desabamento;

– Crises Convulsivas;

– Na transferência inter-hospitalar de doentes graves;

– Outras situações consideradas de urgência ou emergência, com risco de morte, sequela ou sofrimento intenso.

 

Não chame o SAMU para:

– Febre prolongada;

– Dores crônicas;

– Vômito e diarreia;

– Levar pacientes para consulta médica ou para realizar exames;

– Transporte de óbito;

– Dor de dente;

– Transferência sem regulação médica prévia;

– Trocas de sonda;

– Corte com pouco sangramento,

– Entorses;

– Cólicas renais;

– Transportes inter-hospitalares de pacientes de convênio;

– Todas as demais situações onde não se caracterize urgência ou emergência médica.

Nestes casos e em todos os casos que NÃO haja caracterização de urgência ou emergência, o paciente poderá ser encaminhado ao posto de saúde ou então as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) mais próximas.

234567891011

 

 

 

Faça o seu comentário