SEGURANÇA
Encontro reuniu moradores insatisfeitos com a situação da indústria no bairro de Campo Lindo

Natália Figueiredo
[email protected]

Moradores do bairro Campo Lindo compareceram, ontem (7), a reunião mensal do Conselho Comunitário de Segurança Pública de Seropédica (CCSPS), a fim de questionar o poder público sobre a garantia de interdição da empresa Unidox Indústria e Comércio de Gases Ltda. Na última semana a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Agronegócio autuou a empresa pela produção ilegal de ácido acetileno, cancelando a licença municipal de operação e exigindo a interrupção das atividades. A autuação aconteceu dias após a explosão de um cilindro de oxigênio que atingiu a rede elétrica do bairro. No entanto, segundo os moradores a empresa continua operando normalmente. “Pedimos socorro, antes que uma tragédia fatal aconteça. Se houver uma explosão maior acaba com o bairro inteiro, nossa briga contra a empresa é de mais de 10 anos”, afirmou Raquel Vieira. O Major Charles, responsável pela sessão de planejamento do 24º Batalhão de Polícia Militar, esteve presente e informou que a Polícia Militar está disposta a colaborar com o caso, caso seja necessária à interdição da área. Contudo, trabalhando em conjunto com a delegacia da cidade e a Secretaria de Meio ambiente, com o corpo técnico para paralisar as atividades da maneira correta. O presidente do CCSPS e secretário de Segurança e Ordem Pública, Edvá Oliveira, garantiu que entraria em contato com o secretario Ademar Quintella para unir os poderes e garantir que a notificação seja cumprida.
Além dos problemas em Campo Lindo, o subsecretário de Esportes do município, Alexandre Rafael da Silva, levantou um problema que tem sido recorrente na cidade. O descumprimento do horário de funcionamento autorizado por alvará de um bar, frequentado por alunos. “Parabenizo a ação da polícia na última terça-feira que agiu de forma correta, minha mãe mora próximo ao local e não é a primeira vez que desrespeitam o horário de funcionamento, os moradores já fizeram até um abaixo assinado para que a lei orgânica seja cumprida”, completou. Oliveira complementou que qualquer problema deste tipo é possível acionar o número 24 horas da Secretaria de Ordem Pública (21) 37878318.

Moradores e comerciantes do bairro Campo Lindo também reivindicaram a redução do efetivo de policiais na área, que de quatro militares, passou para três (FOTO NATÁLIA FIGUEIREDO)

Moradores e comerciantes do bairro Campo Lindo também reivindicaram a redução do efetivo de policiais na área, que de quatro militares, passou para três (FOTO NATÁLIA FIGUEIREDO)

Representante da Polícia Civil esteve presente
O delegado da 48º DP, Julio Vasconcelos, também compareceu a reunião e se desculpou pela falta nos últimos encontros. “Acho muito importante esse contato com a população, mas tive alguns problemas nas últimas vezes, pretendo participar de todas daqui para frente”, garantiu. Para ele é preciso ter agora um planejamento sério para o futuro da região, caso contrário a cidade pode sofrer uma grande favelização. “Antes existia uma lenda de que com a instalação das Unidades de Polícia Pacificadora nos bairros do Rio, a baixada iria sofrer, mas nada era comprovado, hoje essa é uma realidade, é preciso se preparar”, argumentou. O Tenente Almeida, do 24º BPM, apresentou as estatísticas da polícia do mês de julho e o crime que mais ultrapassou a meta da polícia foi o roubo de rua, por conta do arraia que aconteceu na cidade. “Tínhamos a meta de 1 roubo em comparação ao mesmo mês do ano passado, no entanto em decorrência da festa junina recebemos 14 ocorrências de furtos. Quem cuidada da segurança dentro do evento era uma empresa privada, a polícia militar era responsável apenas pelo entorno, onde não houve nenhuma roubo”, concluiu.
Representantes da Polícia Rodoviária Federal compareceram a reunião respondendo indagações da população sobre a falta de fiscalização e apreensão de veículos irregulares na BR-465. No entanto, os mesmos argumentaram que a dificuldade se encontra na falta de um pátio para depósito de veículos apreendidos e na falta de efetivo para a fiscalização. Porém, afirmam que as autuações são feitas regularmente. “Ás vezes temos a sensação de que vivemos em uma cidade sem lei, é transporte escolar irregular, mototaxista sem capecete…”, afirmou Cláudio D’Paula, segundo secretario do conselho. O presidente do CCSPS complementou afirmando que é previsto um convênio da prefeitura com a PRF, para a disponibilização de um pátio público para o depósito de veículos apreendidos na BR-465.
O CCSPS acontece toda primeira quarta-feira do mês, é aberto a toda sociedade civil e acontece itinerantemente na sede da Câmara Municipal e no Ciep 156 de Campo Lindo.

 

Faça o seu comentário