Os primeiros relatos são do século XVI e a história segue até hoje em dia com futuro pela frente

A Ilha de Paquetá, na Baía de Guanabara, tem seu charme e muitas memórias. Os primeiros relatos são do século XVI e a história segue até hoje em dia com futuro pela frente.

Antes de mais nada, vale lembrar que Paquetá é um bairro da cidade do Rio de Janeiro. Diferentemente do que muita gente acha, não é um município.

Em 1555, André Thevet, cosmógrafo da expedição de Villegaignon, chegou à Ilha em sua missão para fundar a França Antártica. O registro é anterior à fundação da cidade do Rio de Janeiro.

“No dia 18 de dezembro de 1556, o Rei da França, Henri II, reconheceu as descobertas de André Thevet, que aconteceram um ano antes, e a data se tornou o aniversário de Paquetá“, disse a pesquisadora Clara Da Costa.

Após fundar a cidade do Rio de Janeiro, em 1565, Estácio de Sá doou a Ilha de Paquetá a dois de seus companheiros de viagem. A parte norte, a Inácio de Bulhões (hoje chamada bairro do Campo pelos comunitários), e a parte sul (bairro da Ponte) a Fernão Valdez.

Nas terras da Fazenda São Roque foi erguida em 1697 a primeira capela da Ilha, a de São Roque, o padroeiro da Paquetá. Até então a comunidade tinha que atravessar a Baía de Guanabara até Magé para participar de seus cultos religiosos.

Por muito tempo, Paquetá foi ligada à Magé, administrativa e religiosamente. Contudo, já com a Família Real no Brasil e o Príncipe Regente frequentando Paquetá, um alvará especial de D. João cria a Freguesia do Senhor Bom Jesus do Monte.

Em 1833, por decreto Imperial, a Ilha de Paquetá fica totalmente independente de Magé e passa a pertencer ao município da Corte.

Os distritos de Paquetá e Governador, em 1903, são unidos no Distrito das Ilhas, incorporando ilhas e ilhotas ao redor.

O funcionamento regular da linha das barcas, a partir de 1838, facilitou a chegada na Ilha. Expressões artísticas, como o romance A Moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo, que pode ter tido a Ilha como cenário ou inspiração para a história, somaram para a Paquetá ficar mais conhecida.

Falando em expressões artísticas mais recentes, a banda carioca Los Hermanos tem uma canção que leva o nome da Ilha.

O clima bucólico da Ilha de Paquetá é extremamente atrativo para passeios relaxantes. A Ilha tem uma paz fora do comum, mesmo estando tão próxima de agitados centros urbanos. Fatos que atraem muitos turistas.

Uma curiosidade que também atrai turistas à Ilha é o Cemitério de Pássaros. O local, onde as pessoas enterrem seus animais de estimação, é muito visitado por pessoas de fora.

As bicicletas são outro atrativo da Ilha de Paquetá. É possível passear por toda a Ilha com elas. Conhecer cada detalhe pedalando.

 

Fonte: Diário do Rio

Resultado de imagem para Os primeiros relatos são do século XVI e a história segue até hoje em dia com futuro pela frente

Resultado de imagem para ilha de paqueta

Resultado de imagem para ilha de paqueta

Resultado de imagem para ilha de paqueta

Resultado de imagem para ilha de paqueta

Resultado de imagem para ilha de paqueta

Resultado de imagem para ilha de paqueta

Resultado de imagem para ilha de paqueta

Resultado de imagem para ilha de paqueta

Resultado de imagem para ilha de paqueta