Fotos mostram cenário apocalíptico em Tiajin após explosões matarem 50

Entre os mortos estavam 12 dos mais de 1 mil bombeiros que atuavam na cidade chinesa para controlar o fogo e os danos

Enormes explosões de fogo em um armazém de produtos químicos deixaram pelo menos 50 mortos e danificaram edifícios próximos ao local, localizado em um porto chinês de Tianjin, levantando questões sobre o armazenamento correto desses materiais no país.

Morador de Tianjin recebe ajuda de um policial chinês para ir a um local seguro após explosões do dia anterior
Morador de Tianjin recebe ajuda de um policial chinês para ir a um local seguro após explosões do dia anterior

Centenas ficaram feridos nas explosões que ocorreram pouco antes da meia-noite de quarta-feira (12), horário local. Por causa do incidente, bolas de fogo maciças transformaram o céu noturno em dia e quebraram janelas a vários quilômetros de distância. Entre os mortos, 12 faziam parte dos mais de 1 mil bombeiros enviados para a zona industrial da cidade principalmente para combater o incêndio que se seguiu à explosão.

“Eu pensei que era um terremoto, então corri para a rua sem meus sapatos”, disse o morador de Tianjin Zhang Siyu, cuja casa estava a vários quilômetros do local da explosão. “Percebi a explosão somente quando cheguei do lado de fora. Havia aquela enorme bola de fogo no céu com nuvens espessas. Todo mundo podia ver.”

O governo municipal de Tianjin, um porto e petroquímica chave de processamento localizada a cerca de 120 quilômetros a leste de Pequim, informou que 521 vítimas estavam sendo tratadas em hospitais, 52 delas com ferimentos graves. Não há mais informações sobre o estado de saúde das demais vítimas.

Pátio com carros fica irreconhecível após explosões atingirem local com produtos químicos em Tiajin, China (12/08). Foto: Reprodução/Twitter
Pátio com carros fica irreconhecível após explosões atingirem local com produtos químicos em Tiajin, China (12/08)
Estruturas de prédios foram comprometidas em Tiajin, China, após explosões (12/08). Foto: Reprodução/Twitter
Bolas de fogo foram fotografadas por moradores de Tiajin, China, após explosões (12/08). Foto: Reprodução/Twitter
Chamas consomem parte da cidade de Tiajin, China (12/08). Foto: Reprodução/Twitter
Explosões foram vistas do espaço na China (12/08). Foto: AP
Labaredas são vistas nas proximidades onde ocorreu explosões na China (12/08). Foto: AP
A polícia chinesa ajuda um homem perto do local onde ocorreu explosão no nordeste do município de Tianjin, China (13/08). Foto: AP
Homem vê vidros quebrados depois de uma explosão que quebrou janelas em um complexo residencial de Tianjin, China (13/08). Foto: AP
Moradores se reúnem perto do local onde houve explosão em um porto de Tianjin, China (13/08). Foto: AP
Mulher ferida é tratada dentro de hospital após explosões em Tianjin, China (13/08). Foto: AP

“Disseram que era uma bomba nuclear”, disse o motorista de caminhão Zhao Zhencheng, que passou a noite na cabine do veículo depois das explosões. “Eu nunca pensei que veria uma coisa dessas. Foi aterrorizante, mas também muito bonito.”

A emissora estatal CCTV levou ao ar uma transmissão ao vivo de uma coletiva em Tianjin quando o chefe do Gabinete de Proteção Ambiental do município, Wen Wurui, estava falando. Ele disse que não houve impacto aparente em estações de monitoramento do ar ou na água que abastece a cidade, mas que amostras estavam sendo examinadas.

O Centro Chinês de Vigilância de Terremotos informou que a força da primeira explosão foi equivalente a três toneladas de TNT e a segunda tinha equivalência com 21 toneladas de explosivos. O impacto foi tão forte que o Centro de Vigilância dos Estados Unidos registrou atividade sísmica na região e em um raio de 160 quilômetros de distância.

Morador analisa os estragos causados por explosões em Tiajin, China
Morador analisa os estragos causados por explosões em Tiajin, China

O presidente chinês, Xi Jinping, afirmou que as investigações sobre o acontecimento serão “transparentes” e que todas as informações serão tornadas “públicas, segundo a Xinhua. O mandatário ainda destacou que os responsáveis serão “duramente punidos” pelo incêndio.

Vastas áreas da cidade, que é a 10ª maior do mundo com 15 milhões de habitantes, ficaram completamente destruídas, em um cenário de guerra.

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/