Estudos apontam que fruto tem nutrientes que servem como antioxidante em defesa do organismo

Quer melhorar a saúde de um jeito simples e saudável? Então, você precisa incluir o abacate na dieta. Estudos têm apontado que o consumo do fruto ajuda a reduzir o colesterol, a perder peso e a prevenir doenças graves como o câncer.

Uma das pesquisas é do professor Debasish Bandyopadhyay, que analisou em 2017 o desenvolvimento de medicamentos sintético e natural dos componentes dos frutos. Segundo ele, a casca da semente do abacate tem compostos químicos que podem combater tanto o câncer quanto problemas cardíacos.

O médico ortopedista, nutrólogo e pesquisador Marco Antônio de Aguiar vai além. Explica que os fitonutrientes presentes no abacate servem como antioxidante em defesa do organismo. “O abacate é uma das melhores fontes de glutationa e oferece proteção contra diversos tipos de câncer como, por exemplo, o oral e o de garganta”, afirma.

Gordura do bem

Mas se as vantagens são tantas, por que o consumo per capita no Brasil ainda é de apenas 0,301 gramas por ano, conforme o IBGE? Para a nutricionista especializada em emagrecimento, cuidados com a obesidade e saúde da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Sheila Basso, um dos motivos é o alto valor calórico do abacate.

Mas, segundo ela, poucas pessoas sabem que a maior parte da gordura encontrada no fruto é, na verdade, benéfica à saúde. A nutricionista compara o óleo do abacate com o de oliva. “Sua semelhança com o óleo de oliva se deve às propriedades físico-químicas, principalmente pela composição dos ácidos graxos e com a predominância nos ácidos oleico e linoleico”, ressalta.

A química e escritora Conceição Trucom, que recentemente lançou o livro “Amo Abacate”, afirma que não há contraindicação para o consumo do fruto. “Quando se consome o abacate com ervas, como salsa, cebolinha e manjericão, podemos eliminar a hipótese da formação de gases, além de dar sabor e riqueza funcional e nutricional”, explica.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), o Brasil é o sexto maior produtor do fruto, com 3,2% de participação no mercado mundial liderado pelo México. O Estado que mais produz é São Paulo, com 53% das 195,4 mil toneladas anuais. Em seguida, vem Minas Gerais (26,7%) e Paraná (10%).

No Brasil, conforme a Associação Brasileira dos Produtores de Abacates (Abacates do Brasil – ABPA), são produzidas as variedades Avocado (Hass), Breda, Fortuna, Geada, Margarida, Ouro Verde e o Quintal.

Segundo Jonas Octávio, diretor-presidente da Abacates do Brasil, 95% da produção do fruto no país é de abacates tropicais, que são os verdes, encontrados com facilidade nas gôndolas dos supermercados nacionais. Os outros 5% são de produção do tipo Hass.

O abacateiro

A árvore é nativa do México e da América Central, pertence à família Lauraceae, de gênero botânico Persea. O fruto tornou-se conhecido pelo mundo por ser versátil na utilização em receitas doces e salgadas.

Conforme a Abacates do Brasil, as primeiras mudas chegaram ao país em 1893, vindas da Guiana Francesa. Elas foram doadas a Dom João VI e plantadas no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro.

Faça o seu comentário