O país é um dos quatro países do mundo que executam pessoas por crimes cometidos quando eram menores

Genebra – O Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos pediu nesta sexta-feira às autoridades iranianas que cessem imediatamente as execuções de pessoas condenadas por crimes que cometeram quando eram menores de idade, o que viola o direito internacional.

Zeid Ra’ad Al Hussein destacou que desde o início do ano três pessoas – dois homens e uma mulher – foram executados por crimes que cometeram quando tinham 15 e 16 anos. Em 2017, cinco pessoas foram enforcadas após terem sido condenadas nas mesmas condições.

 Um quarto condenado com execução prevista para quarta-feira teria se beneficiado de uma suspensão de dois meses, indicou o Alto Comissariado para os Direitos Humanos em um comunicado publicado em Genebra. Segundo o organismo, cerca de 80 pessoas estão no corredor da morte no país por crimes cometidos quando tinham menos de 18 anos.

“A execução de menores infratores está totalmente proibida pelo direito internacional, quaisquer sejam as circunstâncias e a natureza dos crimes cometidos”, recordou Zeid.

Segundo a organização americana de defesa dos direitos humanos Humans Rights Watch (HRW), o Irã é um dos quatro países do mundo (junto com a Arábia Saudita, Paquistão e Iêmen) que executam pessoas por crimes cometidos quando eram menores.