Originários da Ásia Central, os sumérios fixaram-se na baixa Mesopotâmia –3500a.C.–, localizada ao sul, próximo ao Golfo Pérsico. Os sumérios são tidos como o povo mais antigo a ocupar esta região. No início, estabeleceram-se a em aldeias, dedicando-se a agricultura e a criação de gado e outros animais. Mas logo construíram cidades às margens do rio Tigre.

Os sumérios são o povo conhecido mais antigo a fazer uso de carros com tração animal. Por esse motivo, atribui-se a eles a invenção da roda, já que as mais antigas rodas descobertas pela arqueologia foram encontradas nesta região.

Ao contrário dos outros povos da Mesopotâmia, os sumérios não descendem, em sua língua escrita, dos povos semitas. A origem deste povo é remota e desconhecida, apesar das especulações e teorias. Existe a possibilidade da linguagem ser anterior a da Torre de Babel, quando os povos ainda eram unificados em sua linguagem.

Os sumérios não formavam exatamente uma civilização unificada, pois dividiam-se, a exemplo dos gregos antigos, em cidades-Estados, não possuindo um poder central. Estas cidades-Estados lutavam entre si, o que causou seu enfraquecimento. Não se sabe exatamente como ocorreu seu desaparecimento, porém se crê que os semitas aproveitando destas lutas internas tomou estas cidades, o que reforça a crença em sua existência anterior a Torre de Babel.

As cidades-Estados Sumérias possuíam a mesma escrita, arte, religião, técnicas agrícolas e de construção, que, por sua vez, foram aproveitados pelos povos que os subjugaram.

As principais Cidades-Estados Sumérias foram Lagash, Nippur, Umma e Ur (cidade natal do patriarca Hebreu Abraão).

Os Sumérios foram uma das primeira civilizações de que se tem notícia, mas a sua importância histórica não pára aí. A eles são atribuídas duas grandes invenções: a da escrita e a da roda, ambas a cerca de 6000 anos atrás.

A sua escrita era de uso particularmente da elite, principalmente dos sacerdotes e escribas. Ela era gravada em tabletes de argila com uma pinça em forma de cunha, e por isso recebeu o nome de escrita cuneiforme. Já a roda, outra grande invenção sumeriana, permitiu a eles desenvolverem carros de combates, que eram puxados por cavalos. Ainda sobre sua arte militar, eles usavam lanças, ou dardos de combates, além de armaduras feitas com o bronze extraído das montanhas.

Mas seu legado não pára por aí. Eles ainda criaram diques e barragens que impediam enchentes e inundações nas cidades, e ainda escoavam a água través de canais para as lavouras afim de expandir mais suas cidades, que cresciam depressa.

Sua arquitetura concentrava-se, principalmente, na construção de templos em forma de pirâmides chamados zigurates. Os zigurates geralmente era usados para reverenciar algum deus ou rei.