Mais de 6 mil pessoas foram feridas e 30 continuam desaparecidas após a explosão.  Prejuízos causados pela tragédia chegam a US$ 15 bilhões

O Ministério da Saúde do Líbano confirmou neste sábado (22) a 182ª morte causada pela explosão no porto de Beirute, que também deixou mais de 6 mil pessoas feridas.

Uma fonte da pasta informou à Agência Efe que o balanço subiu para pelo menos 182, mas que a quantidade de feridos permanece em “mais de 6 mil”, enquanto o Exército afirma que 30 pessoas continuam desaparecidas desde a explosão.

No dia 4 de agosto, uma carga de 2.750 toneladas de nitrato de amônio armazenada em um galpão no porto de Beirute explodiu, gerando uma onde de choque que afetou grande parte da capital libanesa.

O presidente do Líbano, Michel Aoun, pediu neste sábado para que os afetados pela explosão “se agarrem às suas terras, casas e à identidade da sua cidade, Beirute”, e disse que o processo de “compensação para as pessoas afectadas será rápido, eficiente e justo”.

De acordo com o mandatário, os prejuízos causados pela catástrofe chegam a aproximadamente US$ 15 bilhões.

 

Mais da metade dos centros de saúde públicos e privados da capital libanesa foram afetados, dificultando não só o tratamento dos feridos pela explosão, mas também o tratamento dos pacientes com Covid-19.

Agências da ONU, organizações humanitárias e a comunidade internacional têm apoiado o Líbano com o envio de abastecimentos e ajuda médica adicional.

Azakir tirou fotos do homem sendo transferido para uma maca e levado embora, a fumaça negra ainda brotando de silos destruídos no fundo. 'Foi como um filme de terror filmado em uma cidade devastada', disse o fotojornalista, Em uma série de fotografias dramáticas, ele registrou o resgate do homem, além de ajudar os socorristas a mover o carro para libertá-lo. Azakir foi informado pelos socorristas que o homem estava sendo levado para um hospital. A princípio, Azakir pensou que o homem estava morto. Mas então o homem abriu os olhos e começou a agitar os braços e pedir ajuda. Azakir chamou alguns socorristas que estavam por pertoUm deles era um homem coberto de poeira e ensanguentado preso sob um carro Pegou sua câmera e saiu para as ruas, se deparando com inúmeros corpos e pessoas em pânicoQuando o fotógrafo da Reuters Mohamed Azakir sentiu o chão tremer, pensou que Beirute havia sido atingida por um terremoto. Em seguida, ele ouviu a megaexplosão que ocorreu na última terça-feira (4)Cena do local da megaexplosão na capital do LíbanoBombeiros apagam incêndio no porto de BeiruteUm carro sob escombros dos prédios destruídos do porto após a explosão Dois homens correm, tentando se afastar do local da explosão

 

Um ferido, coberto de sangue

Faça o seu comentário