Apontados por muitos como a maior do Brasil, a torcida do Flamengo não vive sua melhor fase naquele que é o principal estádio do país e chamado de “casa”. Apesar da boa vitória por 2 a 0 sobre o Madureira na última quarta-feira, o Rubro-negro atingiu uma marca para esquecer no Maracanã. Com apenas 2.487 presentes, o time da Gávea teve o pior público do estádio desde sua reinauguração – no meio do ano de 2013.

Em um cenário longe daqueles que os rubro-negros estão acostumados, Flamengo e Madureira “superaram” a marca negativa de Fluminense e Resende, antigo pior público do novo Maracanã: 5.934 pagantes, em 29 de janeiro de 2014, pela quarta rodada do Campeonato Carioca.

O jogo, agora histórico, da última quarta-feira ainda quebrou outra marca. A partida entre Flamengo e Madureira teve também a pior arrecadação da nova fase do Maracanã, com uma renda de apenas R$ 117.620,00. O número é menor que os R$ 140.240,00 de Fluminense x Resende.

E a situação já incomoda o elenco. Mesmo evitando expor a posição contrária aos altos preços e estádios vazios para não bater de frente com a diretoria, muitos jogadores do Flamengo não escondem a insatisfação de ter que atuar em locais com poucos torcedores por conta da política de ingressos do clube.

Único a comentar abertamente o assunto, o técnico Jayme de Almeida foi diplomático, mas admitiu que o estádio vazio diminui a motivação de seus jogadores.

“Fazer um espetáculo sem público é muito ruim. Falta a motivação, a energia, aquele frio na barriga que faz bem. Isso tudo cai muito com um estádio vazio. É uma pena jogar em um Maracanã assim, ainda mais eu, que já vivi isso aqui muito lotado em outras épocas [Jayme foi jogador na década de 70]. É preciso repensar uma série de coisas. Mas vamos fazer o nosso e procurar a nossa motivação”, analisou o treinador.

E esta não foi a primeira vez que o Flamengo jogou para um público tão reduzido no Campeonato Carioca. Em jogo da sexta rodada, o Rubro-negro venceu o Boavista por 5 a 2 diante de apenas 991 pagantes, em Moça Bonita.

A situação aumenta a polêmica dos preços elevados estipulados pela diretoria do Flamengo. Apesar da falta de atrativos e do horário que não agrada torcedores, a cúpula do clube não tem cobrado menos de R$ 60 em ingressos populares. Em clássicos, este valor chega a R$ 100.

Na última quarta, assim como na maioria dos jogos, a torcida voltou a protestar.

Procurada pela reportagem para comentar o assunto, a diretoria informou que depois se posicionaria a respeito da marca negativa. Ainda assim, o Flamengo defende sua política de ingressos e não deve reduzir os valores em um futuro breve.