Os dois homens estão em isolamento domiciliar e sendo monitorados diariamente pela Superintendência de Vigilância em Saúde

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS-Rio) informou que nesta quinta-feira (23/06) foram confirmados mais dois casos de varíola dos macacos na cidade. São dois homens, de 25 e 30 anos, residentes do município do Rio de Janeiro e sem histórico de viagem internacional ou contato próximo com viajante.

Os dois homens estão em isolamento domiciliar e sendo monitorados diariamente pela Superintendência de Vigilância em Saúde (SVS) por meio da Coordenação de Informação Estratégica de Vigilância em Saúde (CIEVS-Rio) e assistidos pelo Instituto Nacional de Infectologia (INI) da Fiocruz.

Dessa forma, o Município do Rio de Janeiro tem, até o momento, três casos confirmados da doença. Todos apresentam boa evolução clínica, seguem em isolamento domiciliar e em monitoramento diário, assim como os seus contatos próximos que não apresentaram sintomas.

Entenda o que é a varíola dos macacos

A varíola dos macacos é uma “doença febril” aguda, que ocorre de forma parecida à da varíola humana. O paciente pode ter febre, dor de cabeça, nos músculos e nas costas. As lesões na pele se desenvolvem inicialmente no rosto para, depois, se espalhar para outras partes do corpo, inclusive genitais. Casos mais leves podem passar despercebidos e representar um risco de transmissão de pessoa para pessoa.

No geral, a varíola dos macacos pode ser transmitida pelo contato com gotículas exaladas por alguém infectado (humano ou animal) ou pelo contato com as lesões na pele causadas pela doença ou por materiais contaminados, como roupas e lençóis, informa o Butantan. Uma medida para evitar a exposição ao vírus é a higienização das mãos com água e sabão ou álcool gel.

O período de incubação da varíola dos macacos costuma ser de seis a 13 dias, mas pode variar de cinco a 21 dias, conforme relato do Butantan. Por isso pessoas infectadas precisam ficar isoladas e em observação por 21 dias.

Fonte: Diário do Rio