O sintoma mais habitual da doença é o desenvolvimento de erupção cutânea, caroços avermelhados, na pele; para se proteger é recomendado o uso de máscaras, o distanciamento e a higienização das mãos

Nesta quinta-feira, (21/07), o Ministério da Saúde contabilizou 592 casos confirmados de varíola dos macacos no Brasil. O Rio de Janeiro está em segundo lugar no ranking de confirmações, com 85 casos, logo atras de São Paulo que tem 429.

Ainda nesta quinta, a Organização Mundial de Saúde (OMS) já havia sido notificada de mais de 14 mil casos em 72 países. O Brasil está entre os que têm os maiores números de infecções.

Os sintomas iniciais costumam ser: febre; dor de cabeça; dores musculares; dor nas costas; gânglios (linfonodos) inchados; calafrios e exaustão. Dentro de três dias, após o aparecimento da febre, o paciente desenvolve uma erupção cutânea, no rosto e se espalha para outras partes do corpo.

As lesões passam por cinco estágios antes de cair, segundo o Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos. A doença geralmente dura de 2 a 4 semanas.

Devido ao crescimento dos casos, é recomendado o uso de máscaras, o distanciamento e a higienização das mãos são formas de evitar o contágio pela varíola dos macacos.

Fonte: Diário do Rio