O aumento de casos de dengue no país tem preocupado autoridades de saúde. No Distrito Federal, houve aumento de 548% nos registros entre 2 de janeiro e 9 de abril, em comparação com o mesmo período de 2021. Ao todo foram 26.813 casos prováveis e uma morte na capital.

O cenário se repete em todo o país. Desde janeiro, o Brasil contabiliza 323,9 mil casos e 79 óbitos pela doença, de acordo com o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde. O aumento é de 85,6%, em relação ao mesmo período de 2021.

A dengue é uma das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti. Para prevenir a enfermidade, o combate ao mosquito é indispensável, além de cuidados pessoais e com a casa (veja dicas abaixo).

A água parada, como a que se acumula em pratos de vasos de plantas, calhas e garrafas no quintal, é o criadouro perfeito para a reprodução do inseto.

No Brasil, a dengue foi identificada pela primeira vez no ano de 1986. Além dela, outros três vírus também estão associados ao Aedes aegypti: febre amarela, chikungunya e zíka vírus.

Prevenção

Neste sábado (23), o Corpo de Bombeiros do DF realizou ações de conscientização, controle e cuidados preventivos na região Sol Nascente/Pôr do Sol. Durante a operação, foram visitadas residências e comércios, para orientar moradores (veja foto abaixo).

No entanto, além das políticas públicas, especialistas chamam a atenção para as responsabilidades individuais no combate à dengue, como as recomendações para evitar qualquer reservatório de água parada sem proteção em casa.

O mosquito pode usar como criadouros grandes espaços, como caixas d’água e piscinas abertas, até pequenos objetos, como tampas de garrafa e vasos de planta.

Vale fazer uma faxina no quintal e na varanda, com especial atenção para depósitos, calhas e objetos que ficam ao relento e podem acumular água da chuva. Instalar telas em portas e janelas ou usar repelentes na pele são atitudes que também podem ajudar.

Agente descarta focos do mosquito da dengue no DF — Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

Agente descarta focos do mosquito da dengue no DF — Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília

Confira abaixo dicas para se prevenir do Aedes aegypti:

  • Utilize telas de proteção com buracos de, no máximo, 1,5 milímetros nas janelas da casa;
  • Deixe as portas e janelas fechadas, principalmente nos períodos do nascer e do pôr do sol;
  • Mantenha o terreno de casa sempre limpo e livre de materiais ou entulhos que possam ser criadouros;
  • Tampe os tonéis e caixas d’água;
  • Mantenha as calhas sempre limpas;
  • Deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo;
  • Mantenha lixeiras bem tampadas;
  • Deixe ralos limpos e com aplicação de tela;
  • Limpe semanalmente ou preencha pratos de vasos de plantas com areia;
  • Limpe com escova ou bucha os potes de água para animais;
  • Limpe todos os acessórios de decoração que ficam fora de casa e evite o acúmulo de água em pneus e calhas sujas, por exemplo;
  • Deixe portas e janelas fechadas, principalmente nos períodos do nascer e do pôr do sol;
  • Coloque repelentes elétricos próximos às janelas. O uso é contraindicado para pessoas alérgicas;
  • Velas ou difusores de essência de citronela também podem ser usados;
  • Evite produtos de higiene com perfume, pois podem atrair insetos;
  • Retire água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa;
  • Coloque areia nos vasos de plantas;
  • Faça uso de repelente sempre que estiver em áreas consideradas de infestação. Os mais indicados pela OMS são à base de icaridina e que oferecem até 12 horas de proteção;
  • Priorize o uso de roupas claras, leves e que cubram todo o corpo – o Aedes aegypti tem atração pelo suor e por cores escuras;
  • Faça exames de rotina e, em caso de sintomas similares aos da dengue, febre amarela, chikungunya e zika vírus, procure a unidade de saúde mais próxima e consulte um médico.

Sintomas

Os sintomas da dengue podem ser similares aos de outras doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Por isso, o diagnóstico precisa ser realizado pelo médico.

De acordo com o Ministério da Saúde, é importante ficar atento aos seguintes sinais:

  • febre
  • cansaço
  • vermelhidão em partes do corpo
  • coceira
  • dores na cabeça, nos músculos, nas articulações ou atrás dos olhos

Após o diagnóstico da doença, a recomendação é fazer repouso, caprichar na hidratação e, se necessário, usar remédios que aliviem o incômodo.

Fonte: G1